PJ faz buscas em Oliveira de Azeméis e mais quatro câmaras

As cinco câmaras municipais investigadas no âmbito da operação policial "Ajuste Secreto" estão hoje a ser alvo de buscas, designadamente a Câmara de Oliveira de Azeméis, disse à Lusa fonte policial ligada ao processo.

Em declarações à Lusa, fonte da Polícia Judiciária avançou ainda que entre os sete detidos, no âmbito da operação, estão empresários relacionados com o "setor da construção civil" e que entre os cinco clubes de futebol alvo de buscas policiais estão o União Desportiva Oliveirense, Atlético Clube de Cucujães e Futebol Clube Macieirense.

A operação "Ajuste Secreto", anunciada hoje pela Polícia Judiciária, no âmbito de inquérito titulado pelo Ministério Público -- Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Aveiro, Secção de Santa Maria da Feira, já levou à detenção de sete pessoas por suspeitas de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência, designadamente o presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Isidro Figueiredo, e o ex-presidente Hermínio Loureiro.

Segundo a PJ, alguns dos detidos foram hoje conduzidos às câmaras municipais envolvidas para realização de buscas.

"A investigação permitiu até ao momento a obtenção de fortes indícios da existência de relações privilegiadas entre os suspeitos que, ao longo do último ano, têm visado a realização de diversas obras em diferentes localidades, manipulando as regras de contratação pública", lê-se no comunicado de imprensa enviado hoje à comunicação social.

A judiciária refere ainda que nesta operação realizou-se um total de 31 buscas, envolvendo vários magistrados do Ministério Público e cerca de 90 elementos da Polícia Judiciária.

Hermínio Loureiro, vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol e antigo presidente do Conselho Metropolitano do Porto, renunciou em dezembro de 2016 ao mandato de presidente da câmara de Oliveira de Azeméis (eleito pelo PSD), não avançando com nenhuma razão em concreto para justificar a sua decisão.

Numa nota dirigida ao município, Hermínio Loureiro escreveu "que é muitas vezes mais importante saber sair da cena política, do que a ela se apresentar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.