Piscina de Penha de França custou 775 mil euros e continua fechada

Diferente entre entidades envolvidas na obra e na exploração do espaço na base do diferendo que atrasou a abertura de portas. Devia ter aberto em outubro de 2016.

A Piscina da Penha de França, em Lisboa, devia ter aberto em outubro do ano passado, mas ao fim de quase seis meses as portas continuam fechadas. Espaço está fechado há cinco anos.

Em 2013 Câmara de Lisboa, a Junta de Freguesia da Penha de França e a Associação Centro Cultural e Desportivo Estrelas S. João de Brito assinaram um contrato-programa de Desenvolvimento Desportivo relativo à Piscina Municipal da Penha de França.

A autarquia patrocinou o projeto com 775 mil euros e entregou a requalificação da Piscina Municipal da Penha de França ao clube Estrelas S. João de Brito, mas de 2013 até agora muita coisa mudou e as várias partes envolvidas não se entendem sobre quem paga o quê.

A demora na abertura da piscina levou muitos dos inscritos a questionar o clube e a junta depois de ter sido afixado no local um aviso sem data para abertura de portas.

A junta de freguesia fez um esclarecimento, no final de março, sobre o assunto. "E em janeiro de 2017, a Junta toma conhecimento da existência de vários defeitos na obra que impedem a sua inauguração, entre eles infiltrações na cuba da piscina. Tornou-se, assim, evidente que o clube não assegurou uma adequada fiscalização da obra, tarefa que o contrato-programa lhe atribuiu", pode ler-se no comunicado publicado no Facebook.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?