Pescadores mataram por acidente dezassete golfinhos

Não é a primeira vez que este tipo de incidentes acontece, embora a introdução de sensores nas redes tenha forçado a diminuição dos números

Dezassete golfinhos, de um grupo de cerca de centena e meia, foram apanhados pelas redes dos pescadores da Arte Xávega e morreram, hoje à tarde, na Praia de Mira, disse à agência Lusa o presidente do município.

Dezenas de golfinhos terão sido capturados acidentalmente por duas campanhas desta arte de pesca tradicional e o número de vítimas mortais só não foi maior porque os pescadores cortaram as redes e soltaram os animais logo que se aperceberam do que estava a acontecer, segundo relato de um pescador.

Não é a primeira vez que golfinhos são capturados acidentalmente durante as idas ao mar dos barcos da arte xávega, mas este tipo de incidentes diminuiu bastante nestes últimos anos, a partir do momento em que as redes passaram a dispor de sensores que disparam um sinal sonoro de baixa intensidade que afasta os golfinhos.

"Já houve confirmação de que os sensores estavam a funcionar, mas os golfinhos deram sinais de desorientação, tendo-se enredado nas redes", explica Raul Almeida, lamentando a morte dos animais e a perda das receitas dos pescadores de arte xávega, que deitaram ao mar as capturas do dia e ficaram com as redes inutilizadas.

Os cadáveres dos 17 golfinhos foram recolhidos na Lota da Praia de Mira, pelas 18:00, por técnicos do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?