Peniche recebe exercício internacional de Proteção Civil

Durante 24 horas, duas centenas de operacionais nacionais e internacionais vão ser postos à prova em exercícios de situações de emergência

Peniche vai receber, nos próximos sábado e domingo, um exercício internacional de Proteção Civil, com duas centenas de operacionais, para testar a ajuda comunitária em casos de emergência, informou esta terça-feira o comandante dos bombeiros locais.

"Será testada a capacidade de resposta a situações de emergência decorrentes de uma catástrofe causada por condições meteorológicas adversas, que levaram o Governo a recorrer ao mecanismo de ajuda da União Europeia", explicou José António Rodrigues à agência Lusa.

O 'SAR DAY', que se realiza pela quarta vez em Portugal, vai realizar-se durante 24 horas ininterruptas, entre as 10:00 de sábado e as 10:00 de domingo, mobilizando duas centenas de operacionais, 60 dos quais integram equipas oriundas de Espanha, Inglaterra, Itália, Malta, Chipre, Grécia, Hungria e Sérvia.

Os restantes 140 são nacionais, sendo esperadas corporações de bombeiros de norte a sul do país, como Albufeira, Elvas, Beja, Lisboa, Óbidos, Bombarral, Rio Maior, Cartaxo, Alcobaça, São Martinho do Porto, São Pedro da Cova, Vila Real ou Valongo.

"Vão existir cenários que vão carecer de equipas de busca e salvamento em locais remotos, busca e salvamento em espaço confinado, salvamento em águas rápidas, salvamento e desencarceramento, emergência pré-hospitalar, de avaliação e reconhecimento de situação, ou de escoramento e equipas cinotécnicas", explicou.

Depois dos três anteriores exercícios terem ocorrido em Valongo, Peniche foi pela primeira vez escolhida para esta iniciativa de cariz internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.