Pelo menos 30 casas destruídas em Castanheira de Pera

Maioria da rede de água está reposta e a reposição da luz deverá estar garantida até sexta-feira

Pelo menos 30 casas em Castanheira de Pera foram destruídas pelas chamas, informou hoje o presidente da câmara, referindo que a maioria da rede de água está reposta e a reposição da luz deverá estar garantida até sexta-feira.

"Não temos menos de 30 casas destruídas, o que é muito para um concelho desta dimensão", disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Castanheira de Pera, Fernando Lopes, referindo que os levantamentos das casas destruídas e de pessoas desalojadas tem estado a decorrer.

O fundamental, sublinhou, é garantir "apoio às famílias e procurar encontrar algumas soluções imediatas", daí estarem equipas no terreno para averiguarem todas as necessidades da população do pequeno município do norte do distrito de Leiria fustigado pelas chamas que começaram no sábado no concelho vizinho de Pedrógão Grande, num fogo que já provocou 64 mortos e mais de 150 feridos.

Segundo o autarca, a maioria da rede de abastecimento de água já está reposta.

Já a reposição total da luz deverá demorar algum tempo, explicou, afirmando que a EDP garantiu ao município que a situação deveria ficar resolvida na sua totalidade "até sexta-feira".

O concelho continua "sem internet", mas já tem comunicações móveis, "ainda que com algumas falhas, de vez em quando", disse.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 150 feridos, segundo um balanço divulgado hoje.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.