Familiares das vítimas de Pedrógão ponderam processo contra Estado

Numa reunião, criticaram a ausência de informação útil, a burocracia, a não divulgação da lista oficial de vítimas mortais e a falta de apoio psicológico

Familiares das vítimas de Pedrógão Grande criticaram hoje a falta de informação e de acompanhamento psicológico, numa reunião para debater os estatutos da futura associação de vítimas, na qual ponderaram avançar com um processo coletivo contra o Estado.

O encontro aconteceu em Figueiró dos Vinhos e juntou familiares das vítimas do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, a 17 de junho, para definir os estatutos da futura Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande.

Na reunião, os presentes criticaram a ausência de informação útil, a burocracia, a não divulgação da lista oficial de vítimas mortais e a falta de apoio psicológico, disse à agência Lusa uma das promotoras do movimento, Nádia Piazza, que perdeu o filho na tragédia.

Em cima da mesa, acrescentou, esteve também a possibilidade de se criar um memorial às vítimas e de se avançar com um processo coletivo contra o Estado, mas Nádia Piazza sublinhou que essa decisão ainda terá de ser pensada.

"Vamos ver como é que agora as investigações vão decorrer. Mas isso [será] com calma, que é preciso deixar quem está no terreno trabalhar", disse.

Na reunião de hoje, foram relatados vários casos "de falta de apoio psicológico, sobretudo para crianças, mas também para adultos", contou, sublinhando o caso de um casal que perdeu o filho no incêndio e foi obrigado a pagar taxas moderadoras para receber apoio psicológico.

"Na prática, em termos de saúde, as pessoas estão sozinhas. Elas é que têm de ir atrás de apoio psicológico", notou Nádia Piazza, que até agora "nunca foi contactada para o que quer que fosse".

"É surreal", protestou aquela que é uma das promotoras da futura associação, sublinhando que não é por dificuldade de contacto que a situação surge, já que os familiares mais diretos das vítimas deixaram os seus dados junto das autoridades.

Nádia Piazza alertou ainda para o facto de os familiares não terem acesso à lista oficial das vítimas do incêndio, para além de haver falta de "informação concisa e útil" para as pessoas.

"As questões burocráticas pequenas estão a moer as pessoas", frisou, referindo que informação sobre a possibilidade de apoios ou o que fazer em relação aos carros ardidos -- "que as pessoas "não sabem onde estão" - não está a ser facultada.

Na reunião, que contou com a participação de cerca "de 30 a 40 pessoas", ficaram definidos os estatutos, sendo que a Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande deverá ficar formalmente constituída a 13 de agosto, numa assembleia geral que se vai realizar em Vila Facaia, no concelho de Pedrógão Grande, informou.

O incêndio que deflagrou a 17 de junho em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois.

Das vítimas do incêndio que começou em Pedrógão Grande, pelo menos 47 morreram na Estrada Nacional 236.1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, concelhos também atingidos pelas chamas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.