PCP: O resultado esperado de um "processo trapalhão"

Erros e atrasos acumularam-se, diz o vereador Carlos Moura

A suspensão das obras na Segunda Circular não é uma decisão inesperada. Para o PCP, pela voz do vereador Carlos Moura, este é um desfecho previsível de um processo "que tem sido, no mínimo, trapalhão".

"O modo como surgiu primeiramente, sem praticamente consulta pública, os avanços e recuos do concurso, a divisão em duas empreitadas diversas... Tudo isso contribuiu para que se avolumassem erros e atrasos que acabaram agora nesta suspensão", diz ao DN o vereador comunista.

Carlos Moura diz esperar agora que "não seja a população de Lisboa a principal prejudicada com estas situações e que este processo não se arraste sine die".

A suspensão da requalificação da Segunda Circular - que implica a suspensão das obras em curso, no troço entre o nó do Ralis e a Avenida de Berlim, e a anulação do concurso público internacional para a segunda fase, numa extensão de dez quilómetros entre o nó da Buraca e o aeroporto - ocorre depois de o júri do concurso ter "detetado indícios de conflito de interesses, pelo facto de o autor do projeto de pavimentos ser também fabricante e comercializador de um dos componentes utilizados" no pavimento da Segunda Circular, anunciou ontem, em conferência de imprensa, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.