Passadiço da praia de Monte Gordo será alargado até ao Guadiana

O passadiço de Monte Gordo foi inaugurado hoje e será um dos maiores de Portugal

A Câmara de Vila Real de Santo António vai inaugurar hoje o passadiço da praia de Monte Gordo, que vai alargar em mais quatro quilómetros, tornando-o numa das maiores estruturas pedonais do género em Portugal, anunciou o município.

A inauguração da primeira fase da construção do passadiço de madeira da praia algarvia "está concluída" e permitiu elevar a passagem para preservar o cordão dunar numa extensão de três quilómetros, "garantindo o acesso ao areal a partir de cada um dos parques de estacionamento da marginal" da zona balnear do concelho de Vila Real de Santo António, no distrito de Faro.

"A partir de outubro, segue-se a segunda fase de construção do passadiço entre Monte Gordo e a Praia de Santo António, já na foz do Rio Guadiana. Nesta fase, serão construídos mais quatro quilómetros de passadiço, o que o tornará na maior estrutura do género no Algarve, com um total de sete quilómetros", antecipou o município à agência Lusa.

Esta nova construção vai seguir a linha de costa entre Monte Gordo e Vila Real de Santo António e "terá ainda o magnífico enquadramento natural da mata nacional das dunas litorais", considerou a autarquia, precisando que a estrutura vai ser "iluminada em toda a extensão, tal como já o é no primeiro troço".

"Além de constituir o maior passadiço pedonal do Algarve, será também um dos maiores do país", sublinhou a Câmara de Vila Real de Santo António, quantificando o montante total investido na construção dos primeiros três quilómetros em um milhão de euros, verba idêntica à que será gasta na segunda fase dos trabalhos e que também será suportado pelo município, com comparticipação de fundos comunitários.

A autarquia algarvia frisou que o passadiço terá altura média do areal ao deck de 1,60 metros, permitindo "a requalificação do cordão dunar em toda a frente de praia e, no caso da frente urbana da Praia de Monte Gordo, a sua formação".

A Câmara de Vila Real de Santo António recordou que os restaurantes da praia de Monte Gordo vão permanecer em funcionamento na época balnear e, a 18 de outubro, inicia-se a "construção dos novos apoios de praia em Monte Gordo, tal como acordado com os concessionários", para executar a "segunda fase da obra de requalificação da praia de Monte Gordo".

"Os 18 novos apoios de praia ficarão ao mesmo nível do passadiço e com vista para o areal, sendo acessíveis quer através do corredor central, quer da Avenida Marginal", acrescentou o município.

A requalificação da praia de Monte Gordo está a ser realizada por "imposição do Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Vilamoura - VRSA, que prevê a criação de acessos e estruturas de apoio que não colidam com o cordão dunar" e os trabalhos são "responsabilidade da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), embora coordenada pelo município de VRSA", que assume também o custo da obra, referiu ainda a autarquia.

A inauguração começa às 18:30, com o hastear da bandeira azul, e seguem-se as intervenções das autoridades responsáveis pelos trabalhos. Depois há uma festa "sunset" até às 00:00, hora de início de um espetáculo de fogo de artifício, anunciou ainda a autarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?