Parque de estacionamento com 69 lugares nasce na Graça

O parque situa-se entre a Travessa do Monte e o Largo da Graça, uma das zonas mais afetadas pela falta de estacionamento

A Câmara de Lisboa anunciou hoje a abertura de um parque de estacionamento com 69 lugares na Rua Damasceno Monteiro, freguesia de São Vicente, uma das mais afetadas da cidade com a falta de sítio para carros.

Segundo uma informação do pelouro do Espaço Público da autarquia enviada à agência Lusa, em causa estão "69 novos lugares de estacionamento, que no período noturno servirão exclusivamente os residentes e, durante o dia, poderão ser usados como parqueamento por todos aqueles que se desloquem à zona da Graça".

O parque, situado entre a Travessa do Monte e o Largo da Graça, será gerido pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL).

Na informação enviada à Lusa, o município assinala que este é o "terceiro parque de estacionamento que a Câmara de Lisboa, em articulação com a Junta de Freguesia de São Vicente e com a EMEL, disponibiliza à população no espaço de seis meses".

Entretanto, já abriram também ao público os parques situados no pavilhão polidesportivo da Graça e no logradouro do quartel do Regimento de Sapadores Bombeiros, com 30 e 86 lugares, respetivamente.

A autarquia adianta que, "no âmbito do seu programa de construção de 7.000 novos lugares de parqueamento, a EMEL está ainda a preparar a construção, na freguesia de São Vicente, de três outros parques, com uma capacidade total superior a 300 lugares".

No final de dezembro, a vereação do PCP na Câmara de Lisboa solicitou à maioria socialista no executivo, através de uma proposta que foi aprovada, que encontrasse estacionamento em terrenos expectantes na Penha de França e em São Vicente, freguesias onde o partido estima faltarem centenas de lugares para residentes.

Na mesma ocasião, o vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, disse que a autarquia está a fazer um levantamento de edifícios em ruína ou devolutos naquela zona para serem transformados em estacionamento destinado a moradores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.