Parque de estacionamento com 69 lugares nasce na Graça

O parque situa-se entre a Travessa do Monte e o Largo da Graça, uma das zonas mais afetadas pela falta de estacionamento

A Câmara de Lisboa anunciou hoje a abertura de um parque de estacionamento com 69 lugares na Rua Damasceno Monteiro, freguesia de São Vicente, uma das mais afetadas da cidade com a falta de sítio para carros.

Segundo uma informação do pelouro do Espaço Público da autarquia enviada à agência Lusa, em causa estão "69 novos lugares de estacionamento, que no período noturno servirão exclusivamente os residentes e, durante o dia, poderão ser usados como parqueamento por todos aqueles que se desloquem à zona da Graça".

O parque, situado entre a Travessa do Monte e o Largo da Graça, será gerido pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL).

Na informação enviada à Lusa, o município assinala que este é o "terceiro parque de estacionamento que a Câmara de Lisboa, em articulação com a Junta de Freguesia de São Vicente e com a EMEL, disponibiliza à população no espaço de seis meses".

Entretanto, já abriram também ao público os parques situados no pavilhão polidesportivo da Graça e no logradouro do quartel do Regimento de Sapadores Bombeiros, com 30 e 86 lugares, respetivamente.

A autarquia adianta que, "no âmbito do seu programa de construção de 7.000 novos lugares de parqueamento, a EMEL está ainda a preparar a construção, na freguesia de São Vicente, de três outros parques, com uma capacidade total superior a 300 lugares".

No final de dezembro, a vereação do PCP na Câmara de Lisboa solicitou à maioria socialista no executivo, através de uma proposta que foi aprovada, que encontrasse estacionamento em terrenos expectantes na Penha de França e em São Vicente, freguesias onde o partido estima faltarem centenas de lugares para residentes.

Na mesma ocasião, o vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, disse que a autarquia está a fazer um levantamento de edifícios em ruína ou devolutos naquela zona para serem transformados em estacionamento destinado a moradores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."