Infraestruturas de Portugal recomenda caminhos alternativos aos peregrinos

A Infraestruturas de Portugal tem já no terreno ações de vigilância e apoio aos peregrinos e condutores

A empresa Infraestruturas de Portugal (IP), responsável por parte da rede viária nacional, recomenda caminhos alternativos aos peregrinos que se deslocam a pé a Fátima e tem no terreno meios de apoio e sinalização nesse sentido.

Em causa está, nomeadamente, a circulação de peregrinos a pé no Itinerário Complementar 2 (IC2) nos distritos de Aveiro, Coimbra e Leiria que a IP quer evitar, já que é uma estrada "de elevado volume de tráfego, onde são praticadas velocidades maiores e que não prevê condições para a circulação de peões. É por isso recomendada a utilização dos percursos alternativos assinalados, nomeadamente pela antiga EN1 e caminhos paralelos", frisa a empresa.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a empresa adianta, no entanto, que sendo o IC2 uma via "muito utilizada pelos peregrinos" que se deslocam a pé ao santuário de Fátima, irá introduzir "diversos condicionamentos de trânsito em determinados locais, com a supressão de bermas e de vias de lentos, e desvios de percurso de modo a retirar a circulação dos peregrinos em zonas específicas da estrada".

"Em diversos locais da Rede Rodoviária Nacional estão a ser colocados sinais com indicação desses percursos, efetuados através de vias de menor tráfego automóvel, e portanto mais seguras", sustenta a IP.

É o caso do atravessamento na zona de Coimbra, onde, a norte, os peregrinos serão desviados na localidade de Fornos para a antiga estrada nacional 1 (passando pela zona da Pedrulha até à estação da CP).

A sul de Coimbra existirá igualmente supressão da via direita para que a circulação de pessoas a pé se faça com maior segurança, em locais específicos do IC2 entre as localidades de Venda Nova e Orelhudo, assinala a IP.

Paralelamente, a Infraestruturas de Portugal tem já no terreno ações de vigilância e apoio aos peregrinos e condutores, com colaboradores e carrinhas de apoio da empresa que, diariamente, entre as 06:00 e as 21:00, até 12 de maio, irão estar nas principais vias utilizadas pelos peregrinos nos distritos de Aveiro, Coimbra, Leiria e Santarém.

Em Aveiro, os meios da IP estão no IC2 e em Coimbra também no IC2, estrada nacional 109 (que liga Aveiro a Leiria, através da Figueira da Foz) e estrada nacional 17 (entre Coimbra e Vila Nova de Poiares).

No distrito de Leiria, a IP marca presença nas estradas nacionais (EN) 113 (de ligação a Fátima e Ourém), EN 243 entre Porto de Mós e Minde, EN 350 e EN 356 (entre a Batalha e Fátima) e EN 357 e também no IC2.

Já em Santarém, os meios da IP irão incidir na EN 113 (entre Ourém e Tomar), EN 118 (entre Salvaterra de Magos e Ribeira de Santarém), na EN365 entre a Ribeira de Santarém e a Estrada Nacional 3 e na EN243 entre Videla e Minde.

A infraestruturas de Portugal disponibiliza ainda dois locais de repouso, com instalações sanitárias aos peregrinos que se deslocam a pé a Fátima, aberto diariamente até 12 de maio, entre as 08:00 e as 20:00, nos Centros Operacionais de Coimbra (em Antanhol) e em Santarém ao quilómetro 40,2 da estrada nacional 3, na localidade de São Pedro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.