Palácio de Loures é um dos 14 monumentos mais ameaçados da Europa

A lista inclui sítios arqueológicos, edifícios públicos, residenciais e religiosos, uma ponte, um aeroporto e até a Lagoa de Veneza

Já é pouco mais do que paredes e alguns torreões, mas em tempos foi a casa do feitor de D. João III na Flandres e é ainda um exemplo da arquitetura residencial, medieval e renascentista. Falamos do Palácio Valflores, em Santa Iria da Azóia, Loures, um dos 14 monumentos mais ameaçados na Europa, segundo a associação Europa Nostra. A lista da principal organização europeia do património, divulgada hoje, inclui sítios arqueológicos, edifícios, uma ponte, um aeroporto e até a Lagoa de Veneza. A lista final dos sete sítios mais ameaçados será divulgada em março.

As nomeações para o programa "Os 7 mais ameaçados" 2016 foram submetidas por organizações da sociedade civil e entidades públicas de toda a Europa que integram a rede da Europa Nostra e os locais foram selecionados tendo em conta o seu notável valor patrimonial e cultural, bem como a situação de risco, explica a organização, em comunicado. O empenho das comunidades locais em resgatar esses monumentos também foi considerado essencial. Outro critério importante foi o potencial desses sítios para servir como recurso e motor do desenvolvimento sustentável da região onde estão localizados.

"Especialistas do Instituto do Banco Europeu de Investimento visitarão os 7 locais finalistas e contribuirão para a formulação de planos de ação viáveis. A necessidade de reabilitar esses sítios tornar-se-á, assim, mais visível e credível", explica Guy Clausse, do Instituto do Banco Europeu de Investimento, parceiro da iniciativa. Portugal foi contemplado por este programa nas suas duas anteriores edições, com o Convento de Jesus em Setúbal (2013) e os Carrilhões da Basílica do Convento de Mafra (2014).

O Palácio Valflores é um exemplo da arquitetura residencial, medieval e renascentista. Foi construído numa propriedade rural, no século XVI, pelo mercador Jorge de Barros, feitor de D. João III na Flandres, na tradição do paço régio medieval. Já no século XIX foi perdido à mão de credores e arrendado e no século XX a propriedade foi usada para exploração agrícola.

O palácio visto da estrada

Apesar de estar classificado como imóvel de Interesse Público desde 1978, "com valor excecional, cujas características deverão ser integralmente preservadas", está devoluto, em avançado estado de degradação e corre o risco de colapso.

Um pormenor do teto

Os 14 monumentos e sítios na Europa selecionados para o programa Os 7 mais ameaçados de 2016 são:

- Sítio Arqueológico de Ererouyk e Aldeia de Ani Pemza, Arménia

Patrick Donabédian

- Palácio da Justiça em Bruxelas, Bélgica

- Fortaleza Patarei em Talin, na Estónia

- Aeroporto Helsinki-Malmi, Finlândia

- Ponte Colbert em Diepe, Normandia, França

- Castelo em Divitz, Mecklenburg-Vorpommern, Alemanha

- Kampos de Chios, Grécia

- Lagoa de Veneza, Itália

- Castelo Rijswiijk, Província de Gelderland, Países Baixos

- Y- block, Complexo do Governo, Oslo, Noruega

- Palácio de Valflores, Santa Iria da Azóia, Loures, Portugal

- Convento de Santo António de Pádua, Extremadura, Espanha

- Cidade Antiga de Hasankeyf e arredores, Turquia

- Casa Mavisbank, perto de Edimburgo, Escócia, Reino Unido

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.