Pai condenado a pena suspensa por abusar da filha

Juiz considerou ter ficado provado "o essencial" da acusação mas não aplicou a pena efetiva

O Tribunal de Aveiro condenou esta quarta-feira a três anos e meio de prisão, com pena suspensa, um pai que abusou sexualmente da filha de oito anos.

Apesar de o juiz presidente dizer que ficou provado o "essencial" da acusação, o arguido não vai cumprir a pena num estabelecimento prisional, já que foi uma pena de prisão suspensa.

O arguido, de 43 anos, estava acusado por três crimes de abuso sexual de criança agravado, mas foi condenado apenas por um crime de abuso sexual de criança agravado.

O tribunal deu como provado que o arguido manteve contactos físicos de natureza sexual com a menor, entre fevereiro de 2013 e abril de 2014, sem quantificar o número de atos que ocorreram.

Na leitura do acórdão, o juiz Raul Cordeiro disse que durante o julgamento, que decorreu à porta fechada, o arguido negou a prática dos crimes, assumindo apenas que dormiu com a filha no mesmo quarto, durante aquele período.

O homem, agricultor, foi condenado a uma pena de três anos e meio de prisão, suspensa por igual período, sujeita a regime de prova.

Além da pena de prisão, o arguido terá ainda de depositar três mil euros numa conta bancária da filha, no prazo de um ano.

Últimas notícias

Helena Freitas liderou a Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), uma aposta pessoal do primeiro-ministro, António Costa, para coordenar o Programa Nacional de Coesão do Território (PNCT) e lançar bases sólidas para uma descentralização e reversão das desigualdades entre regiões do país. Mas a catedrática descobriu nos decisores políticos uma "inércia e incapacidade de concretizar brutais". Voltou, em junho passado, à universidade de Coimbra, onde é catedrática e assistiu nesta semana, com "perplexidade", ao caso do Infarmed.

Partilhar

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub