Os Verdes questionam Governo sobre praga de escaravelhos em Vouzela

População diz que as casas estão a ser invadidas e são precisas desinfestações diárias

O grupo parlamentar "Os Verdes" anunciou esta terça-feira ter questionado o Governo sobre uma alegada praga de escaravelhos na povoação de Joana Martins, no concelho de Vouzela, que "constitui um grande incómodo no dia-a-dia dos residentes".

O deputado José Luís Ferreira entregou duas perguntas na Assembleia da República, dirigidas aos ministérios da Saúde e da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, uma vez que a população está preocupada com as "eventuais consequências desta praga nas culturas hortícolas e na saúde pública".

O partido ecologista refere que, "segundo os moradores, estes insetos surgiram nesta aldeia há cerca de um mês, coincidindo com o aumento da temperatura e, este ano, em número bastante superior ao registado em anos transatos".

"Embora não conheçam com exatidão a génese desta população de escaravelho preto, os residentes suspeitam que estes insetos possam ter origem em várias explorações avícolas que se localizam nas proximidades, até porque esta espécie se alimenta de grãos, farinhas e restos de vegetais", acrescenta.

Os moradores contaram que "os insetos estão mais ativos ao anoitecer, encontrando-se várias miríades voando pela aldeia, que acabam por 'invadir' as habitações", o que torna "quase impossível os moradores desfrutarem de uma refeição tranquila, dado que os mesmos caem frequentemente dentro do prato ou do copo".

"Diariamente, as pessoas são obrigadas a fazer uma desinfestação para poderem pernoitar com tranquilidade", acrescenta o partido.

Atendendo à situação, "os moradores consideram fundamental, por um lado, conhecer a origem desta praga e, por outro, que se proceda à sua eliminação de forma a permitir que as pessoas de Joana Martins possam ter uma vida tranquila nas suas próprias casas", acrescenta.

Neste âmbito, o grupo parlamentar questiona os ministérios se têm conhecimento da situação e que medidas irão tomar para controlar os insetos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.