Feriados. As 'pontes' que ainda pode gozar em 2016

Dos dez feriados que ainda faltam gozar, quatro serão numa quinta ou numa terça-feira

No dia em que o primeiro-ministro António Costa participou na cerimónia pública que assinalou, de forma simbólica, a reposição dos quatro feriados que tinham sido suspensos pelo Governo anterior - Corpo de Deus (26 de maio), Implantação da República (5 de outubro), Dia de Todos os Santos (1 de novembro) e Restauração da Independência (1 de dezembro) - o DN recorda-lhe aqueles que ainda estão por gozar este ano e que até podem oferecer um fim de semana prolongado.

Em 2016, ano bissexto, além dos quatro feriados agora repostos, poderá ainda gozar mais seis até ao final do ano. E destes, três são encostados ao fim de semana, prolongando o descanso por mais um dia; já quatro dos feriados são perto de sábado ou domingo, oferecendo a possibilidade de uma "ponte".

Com um circulo estão marcados os feriados e retângulos as 'pontes'

O Corpo de Deus - a 26 de maio - será numa quinta-feira, permitindo 'ponte' na sexta, por exemplo. O mesmo acontecerá com o dia 1 de novembro, Dia de Todos os Santos, que calha numa terça-feira, e poderá fazer esticar o fim de semana, bem como os dois feriados de dezembro, o Dia da Restauração da Independência (a 1 de dezembro) e o Dia da Imaculada Conceição, a 8 de dezembro: estes dois últimos assinalam-se numa quinta-feira, o que permitirá aos trabalhadores usufruir de quatro dias seguidos de descanso se não trabalharem na sexta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).