Onde está o Pai Natal? Siga a rota dos presentes até ao sapatinho

Todos os anos, a NORAD oferece a miúdos e graúdos a viagem do Pai Natal em tempo real. Acompanhe a distribuição dos presentes

Passava pouco das sete da tarde deste domingo, véspera de Natal, e o Pai Natal estava a caminho de Chisinau, na Moldávia, para esvaziar mais uma sacola de presentes. Por esta hora, já entregou maisd e dois mil milhões de presentes a crianças e adultos de todo o mundo.

Mas o número vai continuar a subir até ao dia 25 e todos podem acompanhar a rota da distribuição dos presentes. Basta abrir o site da NORAD (North American Aerospace Defense Command) que todos os anos oferece a viagem do Pai Natal em tempo real.

Há mais de 50 anos que a agência segue o caminho do Pai Natal: a tradição começou em 1955, quando uma empresa publicou num jornal o número de telefone errado para as crianças ligarem para o Pai Natal - o divulgado, por coincidência, era o do centro de comando da agência. O coronel Harry Shoup não quis desiludir os mais pequenos e pediu à equipa para dar às crianças indicações sobre a viagem do Pai Natal do polo Sul ao polo Norte.

Desde essa altura, tanto os funcionários da agência como os seus familiares oferecem o seu tempo para atender os telefonemas dos mais novos. E, todoso os anos, milhões de pessoas passam pela página da NORAD nos dias 24 e 25.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...