Oceanário de Lisboa é o melhor do mundo

Foi o mais votado pelos utilizadores do TripAdvisor

O Oceanário de Lisboa foi considerado o melhor do mundo pelo utilizadores do Traveler's Choice do site TripAdvisor. É a segunda vez, a outra foi em 2015, que o espaço português é distinguido pelo site de viagens e turismo como o que melhor impressão causa nos visitantes. O TripAdvisor apresentou o ranking para 2017 dos dez melhores, com base na qualidade do serviço e na quantidade de opiniões dos utilizadores.

Das mais de 28 mil avaliações efetuadas por visitantes e utilizadores do site, cerca de 18 mil deram a classificação de "Excelente". É mesmo o local português que recebe mais votos, de pessoas de 180 nacionalidades, sendo a primeira das 429 experiências a viver em Portugal.

O Oceanário é habitado por mais de 8.000 organismos de 500 espécies, entre plantas e animais. O aquário gigante foi inaugurado em 1998, por ocasião da Expo 98, e já recebeu mais de 20 milhões de visitantes.

O Oceanário teve mais votos que o Ripley"s Aquarium Of Canada, no Canadá, que é o segundo melhor, enquanto em terceiro ficou o Georgia Aquarium, nos Estados Unidos da América. O Oceanografic València (Espanha) foi o quarto mais votado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?