Obras na estação de Arroios custam mais 1.3 milhões do que o previsto

O prazo das obras foi estendido para 24 meses

As obras de reabilitação da estação de metro de Arroios, em Lisboa, vão custar mais 1,3 milhões de euros do que o inicialmente previsto, estando o valor total fixado em 5,9 milhões de euros, segundo um comunicado hoje divulgado.

"O projeto de reabilitação, desenvolvido pelo Metropolitano de Lisboa, revestiu-se de particular complexidade ao nível das suas componentes, estruturais e de eletromecânica, que estiveram na origem das alterações que afetaram a fase de anteprojeto, tendo o respetivo orçamento sido revisto de 4,6 milhões de euros para 5,9 milhões de euros, e o prazo de execução estendido a 24 meses", lê-se no comunicado.

Segundo a empresa, depois de intervencionada, aquela estação ficará com "novos sistemas e tecnologias adequadas aos dias de hoje".

O Metropolitano de Lisboa fez ainda saber que lançou hoje o concurso público para as obras de ampliação e remodelação da estação de Arroios, a única que não está preparada para receber comboios de seis carruagens.

Por isso, na linha verde (Telheiras -- Cais do Sodré) circulam apenas comboios com três carruagens, o que gera constantes reclamações por parte dos passageiros, que dizem sentir-se como "sardinhas em lata" por as composições estarem sempre muito cheias.

Depois das obras, aquela estação "passará a contar com um cais de 105 metros, viabilizando a circulação na linha verde de comboios com seis carruagens", e terá elevadores no átrio norte, com acesso à Praça do Chile, "garantindo assim os parâmetros de plena acessibilidade à estação".

Na nova estação está ainda prevista a aplicação de um painel cerâmico de Nikias Skapinakis, intitulado "Cortina Mirabolante", criado para esta estação em 2005, indicou a empresa.

A estação de Arroios abriu ao público em 1972, com um cais de 70 metros e dois átrios. Teve como autor do projeto de arquitetura o arquiteto Dinis Gomes e os azulejos foram pintados por Maria Keil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.