Stephen Hawking foi inspiração para milhões e deixa legado inesquecível

O mundo da ciência presta homenagem ao físico britânico Stephen Hawking

A Universidade de Cambridge destacou hoje o papel do famoso físico britânico Stephen Hawking, que morreu esta madrugada, sublinhando que foi "uma inspiração para milhões" de pessoas e que deixa no mundo "um legado inesquecível".

Stephen Toope, vice-reitor da instituição, na qual trabalhava Hawking, disse que o reputado professor foi um "indivíduo único", que será recordado com carinho, não só pela universidade, mas por todo o mundo.

"As suas contribuições excecionais para o conhecimento científico e para a popularidade da ciência e das matemáticas deixaram um legado inesquecível", acrescentou o responsável.

"O seu caráter foi uma inspiração para milhões", sublinhou Toope.

Hawking, era membro de um dos colégios da Universidade de Cambridge, que hoje abrirá um livro de condolências.

Tim Berners-Lee diz que o mundo "perdeu uma mente colossal"

Depois de se conhecer a morte de Hawking, o inventor da web, Tim Berners-Lee destacou na sua conta na rede social Twitter que o mundo "perdeu uma mente colossal e um espírito maravilhoso".

"Stephen Hawking, descansa em paz", escreveu.

Físico James Hartle refere que o físico "inspirou muitas pessoas"

O físico James Hartle, que trabalhou com Hawking, disse à BBC que o físico "inspirou muitas pessoas" e sublinhou que Hawking "tinha uma habilidade maravilhosa para ver toda a confusão que há na física e perceber quais eram os pontos essenciais".

"As minhas recordações dele são em duas frentes: primeiro, no nosso trabalho juntos como cientistas, e, depois, como um ser humano cuja história é triunfante face à adversidade", acrescentou Hartle.

Astronauta Tim Peake realça que Hawking "inspirou gerações"

Por seu lado, o astronauta britânico Tim Peake escreveu na sua conta no Twitter que o físico "inspirou gerações ao ver mais além do nosso planeta azul e ao ampliar o nosso entendimento do universo".

Astrónomo Wendy Freedman fala em "ícone"

Comentando a morte de Stephen Hawking, o famoso astrónomo Wendy Freedman, diretor do Observatório de Carnegie, afirmou que a principal contribuição de Hawking foi envolver o público na ciência "de uma maneira que talvez não tenha acontecido desde Einstein".

"Ele tornou-se um ícone devido a uma mente que estava além do comum dos mortais... As pessoas não entendiam exatamente o que ele estava a dizer, mas sabiam que ele era brilhante. Talvez haja um elemento humano da sua luta que faz com que as pessoas parem para prestar atenção", acrescentou.

O cosmólogo Michael Turner destaca alegria do físico

O cosmólogo Michael Turner, da Universidade de Chicago, por seu lado, disse que Stephen Hawking "abordava as questões mais importantes para os cientistas: o nascimento do universo, os buracos negros, a direção do tempo" e que isso "chamou a atenção das pessoas".

"A primeira coisa que chamava a atenção era a doença debilitante e a sua cadeira de rodas", mas a sua mente e "a alegria que levou para a ciência dominaram", disse Turner.

"Embora o público não tenha entendido muitas vezes o que ele dizia, percebiam a sua busca pelas grandes ideias", acrescentou o cosmólogo.

Para Turner, Stephen Hawking "acrescentou uma face humana à ciência" e "isso vai muito para além da sua cadeira de rodas".

Presidente da Real Sociedade de Astronomia, Andy Fabian, lembra o humor de Hawking

Andy Fabian, um astrónomo da Universidade de Cambridge e presidente da Real Sociedade de Astronomia, disse que Hawking começava as palestras para leigos sobre buracos negros com a piada: "Eu suponho que todos vocês leram a 'Breve História do Tempo' e entenderam" e acrescentou: "Sempre teve uma maravilhosa gargalhada".

"Percebe-se que o astrónomo médio, como eu, nem sequer tenta seguir as teorias mais esotéricas que [Hawking] perseguiu nos últimos 20 anos", disse Fabian.

"Fui às palestras que Hawking deu e não podia segui-las sozinho", acrescentou.

Stephen Hawking foi um dos cientistas com maior destaque desde o físico alemão Albert Einstein. A sua obra "Uma Breve História do Tempo" é um dos livros mais vendidos no mundo.

Hawking sofria de esclerose lateral amiotrófica desde os 21 anos

Apesar de sofrer de esclerose lateral amiotrófica desde os 21 anos, Hawking surpreendeu os médicos ao viver mais de 50 anos com esta doença fatal, caracterizada pela degeneração dos neurónios motores, as células do sistema nervoso central que controlam os movimentos voluntários dos músculos.

Em 1985, uma grave pneumonia deixou-o a respirar por um tubo, forçando-o, desde então, a comunicar através de um sintetizador de voz eletrónico.

Mas Hawking continuou a desenvolver as suas pesquisas na área da ciência, a aparecer na televisão e casou pela segunda vez.

A combinação entre a sua obra e o facto de permanecer quase totalmente incapacitado - no final podia apenas contrair alguns músculos da cara - fez com que se tornasse um dos cientistas mais conhecidos do mundo.

Publicado em 2014, o filme "The Theory of Everything" ("A Teoria de Tudo"), retrata a sua vida e carreira académica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.