O último ano do Tua? Esporão tenta travar avanço da barragem

Apesar do avançado estado das obras da barragem de Foz Tua, os responsáveis pela Herdade do Esporão lançaram uma campanha que pretende evitar o enchimento da albufeira

"A barragem não nos vai trazer nada. [...] Preocupam-me as minhas vinhas, os meus filhos, o nosso futuro." As palavras são do viticultor Pedro Duarte no vídeo "A última vindima", um dos quatro minidocumentários que fazem parte da campanha "O último ano do Tua", produzida pelo grupo Esporão, em parceria com a Plataforma Salvar o Tua (PST). O objetivo é "sensibilizar a opinião pública para os efeitos devastadores e irreversíveis que a conclusão da barragem de Foz Tua [obra no distrito de Vila Real a cargo da EDP] irá provocar na paisagem, na qualidade de vida e no turismo da região".

Realizados por Jorge Pelicano, os documentários foram promovidos pelo grupo Esporão. Mas o que leva uma marca alentejana a defender uma paisagem transmontana? Desde logo porque a empresa é proprietária da Quinta dos Murças, no Alto Douro vinhateiro, desde 2008. Contactada pelo DN, Catarina Santos, responsável de marketing e comunicação do Esporão, explica que, além da sensibilização, a campanha "apela à ação de todos, para que enviem uma carta (via e-mail) aos membros do Comité do Património Mundial - UNESCO, entidade com poder para parar esta destruição". No site (ultimoanodotua.pt) podem ser subscritos três pedidos: "para a UNESCO fazer uma nova visita ao Alto Douro Vinhateiro, classificado como Património Mundial da Humanidade; reunir com todos os afetados pela construção da barragem de Foz Tua e, por último, colocá-lo na lista do Património Mundial em Perigo."

O cancelamento da construção de barragens do Alvito e Girabolhos e suspensão temporária de Fridão trazem novas esperanças aos ativistas "que sejam reequacionadas novas abordagens" em relação ao Tua. A campanha digital é composta por quatro testemunhos, de quem teme que as suas vidas mudem drasticamente com a conclusão da barragem, prevista para o final deste ano. Em "A última colheita", o agricultor Manuel Queiroga assume estar "revoltado", porque tal como outras "15 ou mais pessoas" ficará sem a sua horta. Já Ricardo Inverno, protagonista de "A última descida do rio", refere-se à barragem como "um monstro sem necessidade de ser criado", enquanto o guia Aníbal Gonçalves defende que a linha ferroviária podia ser uma "razão forte para impedir que o vale fosse destruído."
A mais recente campanha é, segundo João Joanaz de Melo, um "grito de alma". "[A barragem] é um crime contra as pessoas que ali vivem e o ambiente. Isto é inadmissível." De acordo com o responsável técnico da plataforma Salvar o Tua, o objetivo da iniciativa é "parar o mais rapidamente possível as obras, porque a barragem é uma fraude sobre os portugueses e um ataque contra a população local".
João Joanaz de Melo diz que, apesar de as obras estarem "bastante avançadas", a barragem é ilegal, uma vez que não estão a ser cumpridos "requisitos" impostos pela UNESCO, nomeadamente "a reposição da mobilidade equivalente à linha do Tua" e o "traçado da linha elétrica de alta tensão que atravessa o Alto Douro".

Embora possa parecer impossível travar o enchimento da albufeira, o responsável acredita que não é. "Se há alguma coisa que pode salvar o Tua, é termos os cidadãos do mundo a pressionar a UNESCO. Pensamos que ainda é possível, desde que haja vontade." Na opinião de Joanaz de Melo, a UNESCO demitiu-se das suas funções no que diz respeito ao Tua e "fez de conta que acreditou que a barragem era compatível com o Alto Douro Vinhateiro". Catarina Santos esclarece que "o não enchimento da albufeira permitirá ainda ações fulcrais para a preservação da região e deste património nacional e da humanidade".

O grupo Esporão acredita que "o que é único cria valor e deve ser preservado. Destruir o vale do Tua diminui substancialmente a capacidade da região para se desenvolver de forma sustentável, nas dimensões social, ambiental e económica". E foi por isso que em 2013 decidiu associar-se à PST. Para produzir "vinhos e azeites únicos", refere, é essencial "proteger os recursos naturais e humanos que determinam a sua qualidade e continuidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.