"O nosso sonho não é vender um produto, é mudar o mundo"

O cérebro ainda tem muitos segredos, mas, do que já se sabe, é um manancial de prodígios. O neurocientista Rui Costa e a sua equipa descobriram uma forma expedita de pôr o cérebro a conversar diretamente com as máquinas, para as controlar.

Como surgiu a ideia de criar a Mindreach?

Dos nossos trabalhos sobre a neurociência da aprendizagem. O modelo a que chegámos através desse estudo, de como aprendemos a fazer coisas é que experimentamos e, à medida que o fazemos, selecionamos os padrões cerebrais que funcionam. Fazer uma ação muito habilidosa significa que a pessoa ativou os padrões cerebrais certos. Portanto, deveríamos poder agarrar nos padrões cerebrais e dar feedback direto à pessoa, propondo-lhe que aprenda a controlar os padrões cerebrais. Fizemos isso em animais, e agora, de forma não invasiva, em pessoas. Percebemos que esse conceito geral podia ser aplicado e que havia interesse em criar uma startup.

Estão a inventar o futuro?

Sim. Quando percebemos que funcionava, tivemos de fazer tudo cientificamente, melhorar os códigos, as ideias. Temos falado e discutido muito, e muito apaixonadamente. A patente deste sistema cobre algumas das coisas que estamos a desenvolver. Quando começámos, havia quem achasse isto brilhante e genial, e havia quem dissesse que era uma loucura. Hoje o Facebook e a Google estão a apostar neste tipo de tecnologias. Não têm a nossa abordagem, mas nós achamos que isso é uma vantagem nossa, porque as pessoas que fizeram um ciclo de treino, ao fim de dois anos lembram-se. É como andar de bicicleta, que era o que nós queríamos. Que a pessoa aprenda, e que possa generalizar, de forma a controlar uma bola no ecrã do computador, ou outra coisa qualquer. Depois de aprender, a pessoa já não precisa de nenhuma estratégia, pensa na bola a ir para cima, e ela vai. Achamos que isto é o futuro. Na medicina, claro, mas também no dia-a-dia, para melhorar a nossa vida.

Por exemplo?

O cérebro tem possibilidade de fazer coisas que nós não sabemos. Queremos ligar o cérebro diretamente a máquinas para fazer diretamente as coisas. No futuro podemos até ter memórias que estão deslocalizadas no computador. E a informação pode ser ainda maior se acharmos uma forma de integrar e depois de processar e usar essa informação para fazer coisas. No futuro, pode não estar tudo dentro do cérebro. O nosso sonho não é vender um produto, embora pense que isto tem um impacto comercial brutal. O nosso sonho é mudar o mundo.

E pode mudar o mundo para melhor?

Pode, no sentido em que permite às pessoas usar melhor o cérebro. Por exemplo, com um jogo que capta as formas mais intuitivas do cérebro aprender, que se pode produzir muito barato e distribuir pelo mundo inteiro, para melhorar a aprendizagem. Ou nos problemas de atenção. Nós todos vivemos com um corpo e temos isso mapeado no cérebro, mas conseguimos fazer muito mais do que aquelas que o corpo permite, à medida que vamos inventando instrumentos. Mas por que precisamos de passar do cérebro para mão e da mão para o computador, ou para o controlo remoto, que a partir dali vai via wireless para a máquina? Desta forma posso enviar o comando diretamente do cérebro para a máquina. É essa a ideia.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.