O chef italiano que perdeu quase 50 quilos a comer pizza todos os dias

Pasquale Cozzolino tinha 170 quilos e um problema com bolachas e refrigerantes. Passou a almoçar pizza e a "dieta" resultou

O chef italiano Pasquale Cozzolino mudou-se há quatro anos para os Estados Unidos da América. Descobriu as bolachas Oreo, os refrigerantes de tamanho gigante e outras iguarias norte-americanas que o fizeram afastar-se da sua habitual dieta mediterrânica europeia.

A alimentação teve, naturalmente, consequências ao nível da saúde e sobretudo do peso: nestes quatro anos, ficou com quase 170 quilos. Um número impressionante, mesmo para quem tem dois metros de altura, como é o caso de Cozzolino.

Aos 38 anos, deixou de conseguir brincar com o filho pequeno e já não se reconhecia ao espelho. O médico, contou no programa Good Morning America, da estação de televisão ABC, aconselhou-o a ter mais cuidado, devido ao risco crescente de ataque cardíaco.

Cozzolino decidiu então fazer uma alimentação mais saudável, regressar às origens e cortar no número de calorias. Apesar das restrições, optou por não perder todo o prazer que tirava da comida e recuperou umas das mais antigas receitas italianas: a da pizza Margherita, que passou a comer todos os dias ao almoço.

A massa, feita por si, leva apenas quatro ingredientes: farinha, água, fermento e uma pitada de sal. Por cima, molho de tomate, mozzarela fresca e folhas de manjericão. Cada pizza tem cerca de 500 calorias.

Ao jantar, o chef Cozzolino passou a comer peixe, mariscos ou saladas, sem abdicar de um copo de vinho. Deixando de parte a comida de plástico, conseguiu tornar a sua alimentação mais saudável e perder cerca de 45 quilos ao longo de sete meses.

Começou também a praticar kickboxing, para complementar a nova dieta, e hoje, muitos quilos mais leve, assegura que são os ingredientes mais frescos e saudáveis os seus melhores amigos. E com as pizzas ao almoço, garante que nem sente falta da "junk food' que ingeria todos os dias em largas quantidades.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.