O cão-robô da Google é demasiado barulhento para ser usado pelos Marines

O robô todo-o-terreno que consegue transportar quase 200 quilos de carga não vai ver a frente de batalha nos próximos tempos

Um robô desenvolvido pela Boston Dynamics, pertencente à mãe da Google, a Alphabet, tinha como objetivo ajudar as tropas a transportar cargas por terrenos difíceis. Com quatro patas e referido como "cão-robô" ou "mula robótica", consegue transportar quase 200 quilos de carga e está a ser desenvolvido há mais de três anos. Mas tem um problema: é demasiado barulhento.

O Legged Squad Support System (ou LS3) tem um motor a gasolina que faz tanto barulho que denunciaria a posição das tropas que o usassem. Ao site especializado Military.com, o porta-voz dos Marines Kyle Olson explicou que o robô seria um problema para soldados em zonas de conflito.

"Era difícil ver o potencial do robô por causa das suas limitações", disse Kyle Olson. Os soldados que o testaram "viram-no pelo que era: um robô barulhento que poderia denunciar as suas posições".

A Boston Dynamics também criou um segundo robô com financiamento de empresas de desenvolvimento militar, este com um motor elétrico que fazia menos barulho. No entanto, este robô chamado Spot era mais leve e, por isso, não conseguia transportar cargas superiores a 20 quilos, o que não seria muito útil para os soldados norte-americanos.

Outro problema dos robôs da Boston Dynamics, como destaca a Quartz, é que seriam difíceis de reparar em campo se por acaso sofressem alguma avaria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.