O busto de Ronaldo no aeroporto faz furor

A obra é da autoria de Emanuel Santos, um escultor madeirense que se diz orgulhoso do trabalho

Desde hoje, o aeroporto da Madeira leva o nome de Cristiano Ronaldo e, sob a placa descerrada durante a cerimónia inaugural, está um busto do jogador que está a fazer furor na internet, com várias piadas ou comparações.

Apesar de algumas sugestões de que Lionel Messi esteve por trás da criação do busto de Ronaldo, a verdade é que este é da autoria de um escultor madeirense, que se diz orgulhoso do trabalho.

Emanuel Santos explicou em entrevista à RTP Madeira que o busto surgiu por iniciativa própria e que o projeto foi aceite pela direção do aeroporto. "No máximo", o escultor demorou 15 dias a completar a obra. E diz-se orgulhoso do trabalho.

"Com certeza. É sempre uma mais valia para mim fazer um trabalho desta natureza, para mais representar a maior vedeta do futebol mundial, sendo um conterrâneo da nossa terra. É sempre um orgulho enorme fazer um trabalho desta natureza", disse.

O artista, aquando destas declarações à RTP Madeira, ainda não sabia a opinião do craque, mas garantia que ia perguntar-lhe se tinha gostado do trabalho, que já está a ter destaque na imprensa internacional (veja aqui ou aqui)

A cerimónia contou com a presença da família de Ronaldo e também da namorada, Georgina Rodriguez.

No aeroporto, além do busto, vão passar a estar duas figuras luminosas com a face e o nome do futebolista (nas fachadas norte e sul), da autoria de um escultor da região.

Durante 15 dias, na zona da gare, vai estar uma exposição com 60 caricaturas de CR7.

Na Praça do Mar, junto ao porto do Funchal, o futebolista já está perpetuado através de uma estátua do escultor madeirense Ricardo Veloza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.