Número de passageiros do metro está a crescer há um ano

Tendência verifica-se em Lisboa, Porto e sul do Tejo

O número de passageiros dos metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo está a crescer há um ano, tendo entre abril e junho registado um aumento de 10% para os 57,6 milhões, de acordo com o INE.

Segundo a atividade dos transportes do Instituto Nacional de Estatísticas, pelo quarto trimestre consecutivo, houve aumento de passageiros em todos os sistemas de metropolitano.

Entre abril e junho, os metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo transportaram 57,6 milhões de passageiros, o que constitui um aumento de 10,1% face ao mesmo período do ano anterior e de 4,9% em relação ao primeiro trimestre do ano.

Segundo o INE, todos os meses do trimestre evidenciaram evoluções significativamente positivas, realçando-se o forte aumento de passageiros no mês de maio (+13,9%).

Entre os sistemas de metropolitano, Lisboa foi o que registou o maior aumento de passageiros no segundo trimestre, com um crescimento homólogo de 14%, correspondendo a um total de 39,4 milhões de passageiros transportados.

Com o transporte de 15,2 milhões de passageiros, o metro do Porto registou um aumento de 1,8% e no metro Sul do Tejo viajaram três milhões de passageiros, traduzindo um acréscimo de 5,7% em relação ao segundo trimestre de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.