Número de passageiros do metro está a crescer há um ano

Tendência verifica-se em Lisboa, Porto e sul do Tejo

O número de passageiros dos metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo está a crescer há um ano, tendo entre abril e junho registado um aumento de 10% para os 57,6 milhões, de acordo com o INE.

Segundo a atividade dos transportes do Instituto Nacional de Estatísticas, pelo quarto trimestre consecutivo, houve aumento de passageiros em todos os sistemas de metropolitano.

Entre abril e junho, os metropolitanos de Lisboa, Porto e Sul do Tejo transportaram 57,6 milhões de passageiros, o que constitui um aumento de 10,1% face ao mesmo período do ano anterior e de 4,9% em relação ao primeiro trimestre do ano.

Segundo o INE, todos os meses do trimestre evidenciaram evoluções significativamente positivas, realçando-se o forte aumento de passageiros no mês de maio (+13,9%).

Entre os sistemas de metropolitano, Lisboa foi o que registou o maior aumento de passageiros no segundo trimestre, com um crescimento homólogo de 14%, correspondendo a um total de 39,4 milhões de passageiros transportados.

Com o transporte de 15,2 milhões de passageiros, o metro do Porto registou um aumento de 1,8% e no metro Sul do Tejo viajaram três milhões de passageiros, traduzindo um acréscimo de 5,7% em relação ao segundo trimestre de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".