Novos Google Maps e Earth mostram o mundo "com mais cores"

As novas imagens da Google são captadas por um satélite da NASA e querem mostrar o mundo como realmente é

O Google Earth e o Google Maps têm agora imagens com mais qualidade e nitidez, pois a empresa desenvolveu um sistema que permite receber a informação do satélite da NASA Landsat 8. Com esta atualização, a Google promete mostrar todos os cantos da Terra como eles realmente são.

O Landsat 8 envia imagens com "mais detalhes, cores mais reais" e pormenores mais definidos, segundo a empresa. O novo satélite foi lançado pela NASA em 2013 e tira duas vezes mais fotografias diárias que o antigo satélite usado pela Google, o Landsat 7, para além de ter "uma qualidade, rapidez, detalhe e área cobertura inigualáveis", segundo a agência espacial norte-americana.

Além disso, a técnica de processamento de imagens mais recente altera melhor as fotografias, deixando-as com mais luz e limpando completamente as nuvens.

O antes e o depois das imagens de Nova Iorque, Estados Unidos da América

Para isso, o Google Earth e Maps recorrem uma base de dados gigante de 700 mil milhões de píxeis, segundo a Pplware. No Twitter, a Google mostrou como o sistema tira as nuvens e altera as imagens.

Alpes suiços, Suíça

Brasília, Brasil

No blog da Google, Chris Herwig, diretor de programas da empresa, afirmou que as novas imagens são bastante superiores às antigas e que vão estar disponíveis para todos à medida que as fotografias antigas forem substituídas pelas novas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?