Novo quartel de bombeiros da Alta de Lisboa concluído "dentro de meses"

No Martim Moniz, um novo quartel começa a ser construído dentro de "poucas semanas", garante vereador da Segurança e Proteção Civil

A construção do quartel de bombeiros da Alta de Lisboa vai estar concluída "dentro de meses", enquanto as obras para uma nova estrutura no Martim de Moniz se iniciam dentro de "poucas semanas", segundo a Câmara Municipal.

No âmbito da comemoração do Dia Municipal do Bombeiro, o vereador da Segurança e Proteção Civil na Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Castro, considerou hoje que a Alta de Lisboa "era um dos pontos da cidade mais críticos" para se "acorrer com rapidez".

"E [o quartel] já está em fase de construção. Dentro de meses estará concluído e dentro de poucas semanas arrancará a construção do novo quartel do Martim Moniz", informou aquele responsável, recordando que os bombeiros da capital contam ainda com cinco novas viaturas e houve aprovação, "há poucas semanas, da aquisição de dez novas viaturas de combate a incêndios urbanos".

Carlos Castro afirmou, também, que há 48 recrutas para a formação de cerca de um ano, com vista a tornarem-se tornarem bombeiros profissionais, e que foram escolhidos de cerca de 700 candidatos.

"Naturalmente, há um processo de seleção e é preciso perceber que não é qualquer pessoa que pode ser bombeiro profissional", explicou o vereador, indicando a "seleção muito rigorosa" feita para serem escolhidos os candidatos com as adequadas "aptidões físicas e psíquicas" para uma "profissão de risco".

Segundo o vereador, já foi aberto "um novo concurso para 50 recrutas".

"Nós temos, como é sabido, uma lacuna do ponto de vista dos recursos humanos. Estamos a fazer este grande investimento" nesta área, ao "mesmo tempo que estamos a construir novos quartéis", resumiu.

O Dia Municipal do Bombeiro foi assinalado na Rua do Carmo, frente aos antigos armazéns do Grandella, onde a 25 de agosto de 1988 deflagrou aquele que é tido como o maior incêndio urbano do país.

Junto do emblemático edifício do Chiado foram lembradas as vítimas deste fogo, nomeadamente um bombeiro, com a colocação de uma coroa de flores.

Na cerimónia marcaram presença representantes do poder local, das forças de segurança e vários membros do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.