Ter um cão ajuda a prevenir asma

Crianças que crescem com cães têm menos probabilidade de ter a doença respiratória

Um novo estudo publicado na semana passada vem reforçar uma ideia já avançada em investigações anteriores: a de que ter um cão em casa nos primeiros anos de vida reduz significativamente a probabilidade de que uma criança venha a ter asma.

A investigadora Tove Fall, que liderou a investigação publicada na revista JAMA Pediatrics, explica que foi motivada por estudos anteriores que demonstravam que as crianças que crescem em quintas têm significativamente menos riscos de vir a ter asma. "Queríamos ver se essa ligação também se verificava para crianças que cresciam com cães em casa", afirmou Tove Fall, citada num comunicado.

O estudo da Universidade de Uppsala, na Suécia, analisou a informação de mais de um milhão de crianças, tomando em conta se tinham sido expostas regularmente a cães na infância e se tinham ou não desenvolvido asma. A conclusão? Ter um cão em casa nos primeiros anos de vida diminui em 15 por cento a probabilidade de ter asma.

Os investigadores propõem que a presença dos cães na infância ajude a criar mudanças no microbioma intestinal - os micróbios que vivem nos intestinos humanos - deixando o corpo mais preparado para lidar melhor com certos alergéneos, como o pêlo de cão.

Graças à sua amostra muito grande de mais de um milhão de pessoas, os investigadores puderam mesmo tomar em conta o facto de que a asma tem fatores genéticos. "Pudemos compensar por outros fatores como a presença de asma nos pais, a zona de residência e o estatuto socioeconómico", explicou Tove Fall.

No entanto, os investigadores sublinham que a exposição aos cães deve acontecer antes de as crianças desenvolverem asma ou alergias, e não depois. As pessoas que têm alergias a cães e a gatos devem evitar estar junto desses animais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".