"Nossa Senhora dos Coletes", a imagem que nunca chegou a Cahora Bassa

Na aldeia de Saramago, concelho de Leiria, há uma espécie de santuário onde se amontoam coletes refletores e outras dádivas.

Naquela última etapa do caminho, entre o concelho de Pombal e o de Leiria, o lugar de Saramago, na freguesia de Caranguejeira, tornou-se nos últimos anos paragem obrigatória para os milhares de peregrinos que vêm do norte. Uma imagem de Nossa Senhora "fá-los sentir já em Fátima.

É uma proximidade que lhes faz bem, numa altura em que já vêm muito cansados", explica ao DN Joel Silva, que há vários anos ajuda um grupo de amigos de Valença, no alojamento e transporte de bagagem até Fátima.

A imagem impressiona: centenas de coletes amontoam-se em redor da santa, juntamente com mochilas, lenços, T-shirts, fotografias e outros adereços. Uma placa em granito explica, então, de que se trata - foi oferecida a Cahora Bassa, Moçambique, "mas devido aos acontecimentos de 25 de Abril de 1974, não pôde chegar ao seu destino. Foi então oferecida para o Brasil por intermédio de uns jovens da T.F.P. que, tendo dificuldade no seu transporte, resolveram pô-la num local onde passassem os peregrinos a pé para Fátima".

Era 13 de Agosto de 1990, data da peregrinação emigrante em Fátima. Mais tarde, na comemoração dos 75 anos das aparições, a 13 de maio de 1972 foi então colocada uma placa que explica a história da imagem.

No final dos anos 90, quando o uso de coletes foi aconselhado aos peregrinos, os grupos começaram a deixá-los como sinal de agradecimento. Todos os anos, milhares de coletes são deixados naquele local. Luísa Ribeiro, 44 anos, vinha da Guarda esta manhã, quando o DN a encontrou a depositar o colete.

"Agora também já estamos perto e e de dia, não me há de fazer falta", conta a peregrina, integrada num grupo de 20 pessoas, que todos os anos repete aquele caminho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.