Billy, Malm, Lerhamn: há uma lógica por detrás dos nomes da IKEA

As regras para dar nomes aos produtos foram introduzidas pelo fundador da empresa de mobiliário sueca, Ingvar Kamprad.

Há muitos portugueses que têm uma estante Billy na sala, uma cama Malm no quarto ou uma mesa Lerhamn na cozinha. Mas poucos sabem que os nomes dos mais de 12 mil produtos da IKEA não são atribuídos de forma aleatória ou inventados pelo gigante do mobiliário sueco. De facto, há uma lógica interna por detrás dos nomes.

O designer Jon Karlsson explicou numa exposição em Nova Iorque que a IKEA, fundada em 1943 na Suécia, tem uma equipa responsável por batizar os produtos, usando para isso uma base de dados de palavras da região, indicou a revista 'Quartz'.

Assim, se há uma nova estante para livros, então só precisam de recorrer à lista de nomes de rapazes (Billy foi batizada em homenagem ao antigo responsável pela publicidade da IKEA, Billy Likjedhal) ou profissões. Já as camas ou roupeiros recebem os nomes de locais noruegueses, enquanto as mesas da cozinha, como os sofás ou as cadeiras, de locais suecos.

As regras foram introduzidas pelo fundador da IKEA, Ingvar Kamprad, que sofria de dislexia e tinha dificuldade em lembrar-se de códigos em números. O próprio nome da empresa é um acrónimo para Ingvar, Kamprad, Elmtaryd (a quinta da família) e Agunnaryd (a aldeia onde cresceu, em Småland).

Os nomes são os mesmos nas quase 400 lojas do gigante sueco em todo o mundo, pelo que é preciso garantir que um nome escandinavo não tem um significado ofensivo noutra linguagem. Às vezes há falhas, lembra a 'Quartz', dando como exemplo o candeeiro de teto Fartyg (que em sueco significa "navio", mas em inglês remete para "flatulência").

Como em todas as regras há exceções, já que alguns produtos recebem o nome em função do que fazem. Na cozinha, por exemplo, existe um moinho de especiarias chamado Krossa, que significa moer.

Fique então com uma lista dos nomes:

- Artigos de casa de banho: Lagos suecos ou outros corpos de água

- Roupa de cama: Flores e plantas

- Camas, roupeiros ou mobília para o hall: Locais noruegueses

- Estantes: Profissões ou nomes de rapazes escandinavos

- Tigelas, vasos, velas e castiçais: Locais suecos, adjetivos, especiarias, ervas aromáticas, frutos ou bagas

- Caixas, decorações de paredes, molduras ou relógios: Expressões em calão ou locais suecos

- Produtos para crianças: Mamíferos, aves ou adjetivos

- Secretárias ou cadeiras: Nomes de rapazes escandinavos

- Tecidos ou cortinados: Nomes de raparigas escandinavas

- Mobília de jardim: Ilhas escandinavas

- Acessórios de cozinha: Peixes, cogumelos e adjetivos

- Iluminação: Unidades de medida, estações do ano, meses, dias, termos náuticos e locais suecos

- Tapetes: Locais dinamarqueses

- Sofás, poltronas e mesas de refeições: Locais suecos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).