Billy, Malm, Lerhamn: há uma lógica por detrás dos nomes da IKEA

As regras para dar nomes aos produtos foram introduzidas pelo fundador da empresa de mobiliário sueca, Ingvar Kamprad.

Há muitos portugueses que têm uma estante Billy na sala, uma cama Malm no quarto ou uma mesa Lerhamn na cozinha. Mas poucos sabem que os nomes dos mais de 12 mil produtos da IKEA não são atribuídos de forma aleatória ou inventados pelo gigante do mobiliário sueco. De facto, há uma lógica interna por detrás dos nomes.

O designer Jon Karlsson explicou numa exposição em Nova Iorque que a IKEA, fundada em 1943 na Suécia, tem uma equipa responsável por batizar os produtos, usando para isso uma base de dados de palavras da região, indicou a revista 'Quartz'.

Assim, se há uma nova estante para livros, então só precisam de recorrer à lista de nomes de rapazes (Billy foi batizada em homenagem ao antigo responsável pela publicidade da IKEA, Billy Likjedhal) ou profissões. Já as camas ou roupeiros recebem os nomes de locais noruegueses, enquanto as mesas da cozinha, como os sofás ou as cadeiras, de locais suecos.

As regras foram introduzidas pelo fundador da IKEA, Ingvar Kamprad, que sofria de dislexia e tinha dificuldade em lembrar-se de códigos em números. O próprio nome da empresa é um acrónimo para Ingvar, Kamprad, Elmtaryd (a quinta da família) e Agunnaryd (a aldeia onde cresceu, em Småland).

Os nomes são os mesmos nas quase 400 lojas do gigante sueco em todo o mundo, pelo que é preciso garantir que um nome escandinavo não tem um significado ofensivo noutra linguagem. Às vezes há falhas, lembra a 'Quartz', dando como exemplo o candeeiro de teto Fartyg (que em sueco significa "navio", mas em inglês remete para "flatulência").

Como em todas as regras há exceções, já que alguns produtos recebem o nome em função do que fazem. Na cozinha, por exemplo, existe um moinho de especiarias chamado Krossa, que significa moer.

Fique então com uma lista dos nomes:

- Artigos de casa de banho: Lagos suecos ou outros corpos de água

- Roupa de cama: Flores e plantas

- Camas, roupeiros ou mobília para o hall: Locais noruegueses

- Estantes: Profissões ou nomes de rapazes escandinavos

- Tigelas, vasos, velas e castiçais: Locais suecos, adjetivos, especiarias, ervas aromáticas, frutos ou bagas

- Caixas, decorações de paredes, molduras ou relógios: Expressões em calão ou locais suecos

- Produtos para crianças: Mamíferos, aves ou adjetivos

- Secretárias ou cadeiras: Nomes de rapazes escandinavos

- Tecidos ou cortinados: Nomes de raparigas escandinavas

- Mobília de jardim: Ilhas escandinavas

- Acessórios de cozinha: Peixes, cogumelos e adjetivos

- Iluminação: Unidades de medida, estações do ano, meses, dias, termos náuticos e locais suecos

- Tapetes: Locais dinamarqueses

- Sofás, poltronas e mesas de refeições: Locais suecos

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?