Na próxima madrugada regressa a hora de verão

Relógio terá de adiantar uma hora. Saiba como minimizar "os prejuízos" que esta alteração causa no organismo

A mudança da hora de inverno para a hora de verão é já na próxima madrugada

Terá de adiantar o seu relógio 60 minutos, caso viva em Portugal continental ou na Região Autónoma da Madeira, quando os ponteiros marcarem 1:00. Passarão a ser, então, 2:00.

Já nos Açores, a mudança é feita à meia-noite, com os relógios a passarem para a uma da madrugada.

O ideal, segundo o presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono seria as pessoas terem antecipado lentamente a mudança da hora, deitando-se um pouco mais cedo, para minimizar "os prejuízos" que esta alteração causa no organismo.

"Apesar da solução para os problemas decorrentes da mudança da hora estar unicamente na abolição desta medida, é possível minimizar alguns dos efeitos assumindo alguns cuidados", defendeu Miguel Meira e Cruz num comunicado enviado à agência Lusa.

Por outro lado, advertiu, "adiantar os ponteiros significa para algumas pessoas com cronotipo matutino, deitar-se ainda com sol, o que pode dificultar o adormecer e afetar a continuidade do sono".

"É importante que, nestas circunstâncias, o quarto seja mantido escuro e com temperaturas adequadas (nem muito frio, nem muito calor) para que o sono se processe da melhor forma", aconselhou.

Os que praticam exercício físico em horas tardias também deveriam tentar antecipar o horário do exercício, bem como a sua intensidade.

Segundo o investigador do Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa, "não existe prova convincente" de que ganhar "uma hora extra de sol" represente "poupanças efetivas".

"Existe sim, sem sombra de dúvida, um prejuízo tremendo, que pode ser maior ou menor dependendo do cronotipo e da robustez do relógio de cada um", salienta.

Miguel Meira e Cruz refere ainda que existem várias razões para se considerar totalmente inoportuna a mudança que ocorre duas vezes por ano.

Apesar de ser sobre o sono que estas alterações horárias parecem ter mais efeitos, cada um dos órgãos sofre "um desajuste que demora bem mais tempo a recuperar do que o desacerto do ciclo vigília-sono".

"Sabemos por exemplo que existe uma interação dinâmica entre o relógio circadiano interno e a divisão celular e que esta interação influencia por exemplo o desenvolvimento de certas doenças, nomeadamente tumorais. É efetivamente real o risco e o efeito pode não ser visível a curto prazo, mas existe", salienta.

Também vários trabalhos epidemiológicos têm sugerido repetidamente que a mudança horária aumenta o risco cardiovascular, de acidentes e a ocorrência de maior instabilidade emocional, sobretudo em pessoas vulneráveis.

O investigador adianta que a maioria das pessoas esquece o impacto inicial da mudança após três ou quatro dias, sobretudo pela "frequência de horários irregulares e de maus hábitos" que têm relativamente ao sono e que "fazem ter dúvidas sobre o que é que provoca o quê".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.