Mulher que morreu no IKEA era colaboradora de empresa externa

Vítima de 37 anos tinha sido "contratada por um dos fornecedores do projeto". Foi atingida por "paletes de madeira"

A mulher que morreu hoje ao final da manhã num acidente de trabalho nas instalações da futura loja IKEA, em Loulé, era uma colaboradora de uma empresa externa à cadeia sueca, disse fonte do grupo.

Em comunicado, fonte da IKEA Portugal adiantou que a vítima, de 37 anos, era uma colaboradora "de uma empresa externa à IKEA, contratada por um dos fornecedores do projeto", estando agora a ser apuradas as causas do acidente.

A mesma fonte acrescentou que o acidente ocorreu cerca das 12:00 "no exterior do cais de descarga" da futura loja, situada junto ao nó de Loulé da Via do Infante, cuja abertura ao público está prevista para a próxima quinta-feira.

"A equipa da IKEA Portugal está no local e, em conjunto com todos os intervenientes e com as autoridades, estão a trabalhar no apuramento dos factos", lê-se no comunicado, que acrescenta que as autoridades "foram prontamente alertadas".

A IKEA Portugal remete mais esclarecimentos para mais tarde, "assim que exista mais informação".

De acordo com o Centro Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Faro, o óbito foi declarado no local pelo médico do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Segundo a mesma fonte, "a mulher estaria a fazer trabalhos dentro das instalações do IKEA".

No local está também uma equipa da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.