Mulher mais pesada do mundo perdeu 250 kg em dois meses

Eman Ahmed Abd El-Aty, de 36 anos, pesava cerca de 500 quilos. Perdeu metade do peso desde que foi operada, informou o hospital onde está a ser tratada

Uma mulher egípcia de 36 anos, que se estimava ser a mulher mais pesada do mundo, já perdeu 250 dos 500 quilos que pesava quando foi submetida a uma cirurgia bariátrica na Índia, em fevereiro. A informação foi avançada pelo hospital onde foi realizada a operação e onde a mulher está a ser tratada.

Eman Ahmed Abd El-Aty submeteu-se a uma cirurgia bariátrica - um procedimento que consiste na redução do tamanho do estômago - no Hospital Saifee, em Mumbai. Na operação, a equipa médica removeu também uma boa parte da gordura do estômago.

Segundo fonte do hospital, citada pela BBC, a doente já consegue sentar-se numa cadeira de rodas e passar períodos mais longos sentada. Os médicos esperam que a mulher perca peso suficiente para conseguirem fazer uma TAC e perceberem as causas do AVC que sofreu há alguns anos e que a deixou parcialmente paralisada.

Segundo a família, Eman Ahmed Abd El-Aty foi diagnosticada com elefantíase em criança e, posteriormente, aos 11 anos, sofreu um AVC e desenvolveu doenças como diabetes, hipertensão e apneia do sono. Esteve 25 anos sem sair de casa.

Com a perda de peso, Eman Ahmed Abd El-Aty terá deixado de ser a mulher mais pesada do mundo - segundo o livro dos recordes do Guinness esse título pertence à norte-americana Pauline Potter, que pesava 293,6 kg em 2012.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.