Mulher mais pesada do mundo foi operada e já perdeu 100 quilos

Eman Ahmed Abd El-Aty, de 36 anos, pesava 500 quilos

A egípcia Eman Ahmed Abd El-Aty, de 36 anos, que se estimava ser a mulher mais pesada do mundo, já foi operada e perdeu 100 dos 500 quilos que pesava quando chegou à Índia, no mês passado. Os médicos informaram que a cirurgia foi bem sucedida e que, em breve, a mulher poderá regressar ao Egito.

Eman Ahmed Abd El-Aty submeteu-se a uma cirurgia bariátrica - procedimento consiste em reduzir o estômago para 15% do seu tamanho - na terça-feira no Hospital Saifee, em Mumbai. Além disso, a equipa médica removeu uma boa parte da gordura do estômago.

Os médicos informaram que a mulher perdeu 100 quilos desde que chegou à Índia, com recurso a uma dieta líquida que incluía proteínas e suplemento de fibras. Estão agora com expetativa que esta perca mais 100 quilos nos próximos seis ou oito meses.

"Assim que estiver estabilizada, ela regressará a casa e a sua evolução em termos de peso será acompanhada pela equipa", disse um dos médicos, citado pelo Hindustan Times.

Eman Ahmed Abd El-Aty precisará de outras cirurgias bariátricas, que serão efetuadas com o dinheiro angariado numa campanha de crowdfunding desenvolvida pela família e pelo hospital indiano.

De acordo com a família, em criança, a doente foi diagnosticada com elefantíase e, posteriormente, sofreu um AVC e desenvolveu doenças como diabetes, hipertensão e apneia do sono. A mulher foi levada para a Índia por um avião da Airbus especialmente modificado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.