Movimento quer proibir a caça à raposa

Petição tem quase 10 mil assinaturas

A petição que defende a abolição da caça à raposa conta já com 9.800 assinaturas, segundo o movimento de cidadãos que defende o fim desta prática e que vai entregar o documento na quinta-feira na Assembleia da República.

Este movimento teve início em janeiro com cinco membros que se conheceram através da internet e partilhavam as mesmas preocupações ambientais e indignação pelas batidas organizadas para a caça da raposa por todos o país.

O movimento pela abolição defende a falta de existência de bases científicas que suportem e demonstrem um eventual excesso populacional desta espécie, não existindo estudos gerais com censos de raposas em Portugal, e afirmam ser uma "prática cruel e bárbara", contrária aos esforços de educação ambiental atuais.

Segundo o movimento, esta prática contou com a morte de mais de 142 mil raposas entre 2005 a 2015 e espera ver a petição levada a plenário na Assembleia da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...