Moura, Pablo e Caetano brilham em tarde em que faltou a emoção do toiro

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida do Dia de Portugal, em Reguengos de Monsaraz

Dia 10 de Junho, dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, realizou-se em Reguengos de Monsaraz a tradicional corrida das Festas de Santo António. O público preencheu cerca de 3/4 do aforo da bonita praça José Mestre Batista, numa tarde que mais parecia outonal do que de primavera quase verão.

Os toiros do ferro de Cortes Moura (propriedade dos irmãos Moura Caetano) revelaram falta de raça. Mais terciados os três primeiros, bem apresentados os três últimos, todos eles foram muito nobres, com classe, "fáceis", a transmitirem pouca emoção às bancadas. Foram os colaboradores ideais para os cavaleiros em praça, com eles andaram a gosto, fazendo coisas bonitas durante as suas lides, mas faltou emoção para que os triunfos fossem rotundos e arrebatadores. O quinto e sexto da corrida foram os mais "emotivos" e com eles foram realizadas a duas melhores lides da tarde.

A tarde foi de homenagens ao Dr. Manuel Correia e ao cavaleiro João Moura, que cumpre este ano 40 anos de alternativa. Foram lidos dois textos aos homenageados e o Presidente da Câmara de Reguengos, Dr. José Calixto, entregou aos familiares do Dr. Correia uma lembrança pelo trabalho desenvolvido em prol do concelho.

Com João Moura, houve brega perfeita, deixou na arena o perfume raro e único da maestria mourista, andou a gosto nos seus dois toiros, cravando bons ferros, recebendo o aplauso do público alentejano que tanto acarinha e acarinhou.

Foi tudo bem feito, foi tudo perfeito, com a classe, o saber, o brilho e a arte que dão vida e razão de ser a uma carreira de glória de três décadas. O público delira com Pablo Hermoso e Pablo agiganta-se perante o carinho e a entrega do público português. É um ídolo e assim foi mais uma vez em Reguengos.

João Moura Caetano brilhou nos seus dois toiros sobretudo pela forma artística e templada como os lidou, fazendo alarde do momento superior que atravessa e da cavalgada de sucessos que vem protagonizando em todas as praças onde tem atuado.

Tarde "fácil" para os forcados, com os toiros a saírem prontos para o cite, com nobreza e a meterem bem a cara.

Por Montemor foram caras José Maria Vacas de Carvalho, Vasco Carolino e Francisco Borges, todos brilhantemente à primeira tentativa, sendo ajudados superiormente pelo grupo.

Pelos Amadores de Monsaraz, Paulo Caturra, Miguel Valido e Hugo Torres, todos à primeira tentativa, também eles muito bem ajudados pelo restante grupo.

Dirigiu a corrida Agostinho Borges, assessorado pelo médico veterinário Matias Guilherme.

Síntese da corrida:

Toiros: Cortes Moura, em termos de apresentação corretos os três primeiros, bem apresentados os três últimos. Nobres, com classe mas com pouca emoção.

Cavaleiros: João Moura (Volta e Volta); Pablo Hermoso de Mendonza (Volta e Volta); Moura Caetano (Volta e Volta)

Forcados: Amadores de Montemor - José Maria Vacas de Carvalho (Volta), Vasco Carolino (Volta); Francisco Borges (Volta); Amadores de Monsaraz - Paulo Caturra (Volta); Miguel Valido (Volta); Hugo Torres (Volta)

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."