Moura, Pablo e Caetano brilham em tarde em que faltou a emoção do toiro

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida do Dia de Portugal, em Reguengos de Monsaraz

Dia 10 de Junho, dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, realizou-se em Reguengos de Monsaraz a tradicional corrida das Festas de Santo António. O público preencheu cerca de 3/4 do aforo da bonita praça José Mestre Batista, numa tarde que mais parecia outonal do que de primavera quase verão.

Os toiros do ferro de Cortes Moura (propriedade dos irmãos Moura Caetano) revelaram falta de raça. Mais terciados os três primeiros, bem apresentados os três últimos, todos eles foram muito nobres, com classe, "fáceis", a transmitirem pouca emoção às bancadas. Foram os colaboradores ideais para os cavaleiros em praça, com eles andaram a gosto, fazendo coisas bonitas durante as suas lides, mas faltou emoção para que os triunfos fossem rotundos e arrebatadores. O quinto e sexto da corrida foram os mais "emotivos" e com eles foram realizadas a duas melhores lides da tarde.

A tarde foi de homenagens ao Dr. Manuel Correia e ao cavaleiro João Moura, que cumpre este ano 40 anos de alternativa. Foram lidos dois textos aos homenageados e o Presidente da Câmara de Reguengos, Dr. José Calixto, entregou aos familiares do Dr. Correia uma lembrança pelo trabalho desenvolvido em prol do concelho.

Com João Moura, houve brega perfeita, deixou na arena o perfume raro e único da maestria mourista, andou a gosto nos seus dois toiros, cravando bons ferros, recebendo o aplauso do público alentejano que tanto acarinha e acarinhou.

Foi tudo bem feito, foi tudo perfeito, com a classe, o saber, o brilho e a arte que dão vida e razão de ser a uma carreira de glória de três décadas. O público delira com Pablo Hermoso e Pablo agiganta-se perante o carinho e a entrega do público português. É um ídolo e assim foi mais uma vez em Reguengos.

João Moura Caetano brilhou nos seus dois toiros sobretudo pela forma artística e templada como os lidou, fazendo alarde do momento superior que atravessa e da cavalgada de sucessos que vem protagonizando em todas as praças onde tem atuado.

Tarde "fácil" para os forcados, com os toiros a saírem prontos para o cite, com nobreza e a meterem bem a cara.

Por Montemor foram caras José Maria Vacas de Carvalho, Vasco Carolino e Francisco Borges, todos brilhantemente à primeira tentativa, sendo ajudados superiormente pelo grupo.

Pelos Amadores de Monsaraz, Paulo Caturra, Miguel Valido e Hugo Torres, todos à primeira tentativa, também eles muito bem ajudados pelo restante grupo.

Dirigiu a corrida Agostinho Borges, assessorado pelo médico veterinário Matias Guilherme.

Síntese da corrida:

Toiros: Cortes Moura, em termos de apresentação corretos os três primeiros, bem apresentados os três últimos. Nobres, com classe mas com pouca emoção.

Cavaleiros: João Moura (Volta e Volta); Pablo Hermoso de Mendonza (Volta e Volta); Moura Caetano (Volta e Volta)

Forcados: Amadores de Montemor - José Maria Vacas de Carvalho (Volta), Vasco Carolino (Volta); Francisco Borges (Volta); Amadores de Monsaraz - Paulo Caturra (Volta); Miguel Valido (Volta); Hugo Torres (Volta)

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.