Morreu Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal

Manuel Martins, bispo de Setúbal entre 1975 e 1998, morreu hoje, aos 90 anos, informou a Diocese de Setúbal.

Manuel Martins, bispo emérito de Setúbal, morreu hoje às 14:05, acompanhado dos seus familiares e após receber a Santa Unção administrada pelo pároco local, anuncia a Diocese de Setúbal.

A diocese sublinha que Manuel Martins foi o primeiro bispo de Setúbal, nomeado em 1975.

Não foram divulgadas, por enquanto, informações sobre o funeral.

Nascido em 20 de janeiro de 1927, em Leça do Bailio, Matosinhos, foi o primeiro bispo de Setúbal, entre 1975 e 1998, de que era atualmente bispo emérito. Aliás, chegou a dizer que era "setubalense para sempre".

Há cerca de dois anos, foi alvo de uma homenagem em que até o Papa Francisco lhe enviou uma mensagem escrita: "Por favor, não se esqueça de rezar por mim".

Nesta celebração dos 40 anos de ordenação episcopal como primeiro bispo de Setúbal, D. Manuel Martins recordou os tempos em que os seus discursos mais inflamados na defesa dos desfavorecidos lhe valeram rótulos como "bispo vermelho", "bispo sem medo" e até "bispo comunista". Seria ele a denunciar casos de pobreza extrema, de fome e de desigualdades no distrito de Setúbal, onde terminou o mandato até 23 de abril de 1998.

Manuel da Silva Martins estudou no seminário do Porto e, mais tarde, na Universidade Gregoriana, em Roma.

Foi pároco de Cedofeita, nos nove anos de exílio do bispo do Porto António Ferreira Gomes (1960-1969), durante o Estado Novo, e foi vigário geral após o regresso do prelado.

Em 1975, um ano após o 25 de Abril de 1974, foi o ano da nomeação de Manuel Martins para bispo da diocese de Setúbal, de onde só saiu 23 anos depois, em 1998.

Foi presidente da comissão episcopal da Ação Social e Caritativa e da Comissão Episcopal das Migrações e Turismo, e da secção portuguesa da Pax Christi.

(em atualização)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.