Morreu John Glenn, o primeiro americano a fazer a órbita da Terra

A morte de John Glenn foi confirmada pelo governador do Ohio, John Kasich

O astronauta John Glenn morreu esta quinta-feira, aos 95 anos, nos Estados Unidos.

John Glenn fez parte do grupo que integrou o programa da Nasa, Mercurio. Ficou famoso em 1962 quando fez a primeira órbita completa à Terra, na cápsula Friendship 7, um ano depois do cosmonauta russo Iuri Gagarin.

Depois de sair da NASA fez carreira como senador pelo estado do Ohio. E em 1998, aos 77 anos, esteve no espaço como membro da tripulação do Discovery.

Glenn morreu num hospital de Columbus onde estava internado há mais de uma semana, segundo o diretor de comunicação da John Glenn School of Public Affairs, Hank Wilson.

John Herschel Glenn Jr. teve dois grandes caminhos de carreira que por muitas vezes se tocaram - voar e a política - e conseguiu ser bem-sucedido nos dois.

Antes de ganhar fama com o voo orbital à volta da Terra, Glenn foi senador pelo Ohio durante 24 anos - mais do que qualquer outro senador na história daquele estado - e entrou na corrida do Partido Democrata para a escolha do candidato à Casa Branca em 1984, que acabou por perder.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já prestou homenagem ao astronauta, que considerava um amigo e um ícone.

"O John inspirou gerações de cientistas, engenheiros e astronautas que nos levarão a Marte e mais além - não só para visitar, mas para ficar", disse Obama numa declaração. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.