Morreu Carlos Mendonça, o 'Mourinho' das Marchas de Lisboa

Carlos Mendonça morreu hoje em Lisboa aos 77 anos

Carlos Mendonça, conhecido como o 'Mourinho' das Marchas de Lisboa, morreu hoje em Lisboa aos 77 anos, disse à agência Lusa fonte da família.

O corpo será velado a partir das 18:00 de quarta-feira na Basílica da Estrela e o funeral realiza-se às 14:00 de quinta-feira, seguindo para o cemitério do Alto de São João, onde decorrerá a cremação.

José Carlos dos Santos Mendonça, nascido em Lisboa a 28 de janeiro de 1939, foi um artista português polivalente, que começou pelo teatro e pela dança clássica, tornando-se assistente de figurinismo quando se radicou em Londres, em 1964, já depois do cumprimento do serviço militar obrigatório.

Como figurinista, trabalhou para a BBC, Granada Television, Euston Films e Paramount Films.

Regressou em 1980 a Portugal, onde trabalhou como figurinista em programas de televisão, musicais e novelas, entre outros, escrevendo também vários espetáculos musicais.

Desenhou vários cenários e figurinos para teatros, como o ABC, o Variedades e o Maria Vitória.

Em 1990, foi convidado a dirigir a Marcha Popular de Alfama, o que fez durante 20 anos, como coreógrafo, figurinista, cenógrafo, letrista e também como músico e compositor.

Conhecido por ter um estilo inovador, que inspirou muitos outros ensaiadores, conseguiu 13 primeiros lugares em 20 anos de Marchas, assim como diversos prémios de figurinos, artes plásticas e coreografia.

Foi distinguido com a Medalha de Ouro da cidade de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.