Morreu a tartaruga à qual retiraram 915 moedas do estômago

A cirurgia para remoção das moedas aconteceu há duas semanas

Uma tartaruga marinha de 25 anos que engoliu quase mil moedas atiradas por turistas na Tailândia em busca de boa sorte morreu hoje, quase duas semanas após uma cirurgia para lhe retirar as moedas do estômago.

A causa da morte foi envenenamento do sangue provocado pelas moedas, disse Achariya Sailasuta, professora na faculdade de veterinária da Universidade de Chulalongkorn em Banguecoque.

"Pelo menos ela pôde nadar livremente e comer alegremente antes de morrer", disse por seu lado a cirurgiã Nantarika Chansue, que removeu cinco quilos de moedas do estômago da tartaruga numa operação a 06 de março.

A tartaruga, que ganhou a alcunha de "Banco", parecia estar bem depois da operação, mas um exame no sábado revelou problemas nos seus intestinos. Os médicos fizeram uma segunda operação, mas a tartaruga não voltou a acordar e morreu hoje de manhã.

"Banco" vivia num lago público na província de Chonburi, cerca de 175 quilómetros a sudeste de Banguecoque.

A tartaruga engoliu 915 moedas atiradas para o lago por turistas e o peso das moedas acabou por quebrar a sua carapaça.

As 915 moedas formaram uma bola no estômago do animal e os especialistas não a conseguiram remover inteira pela incisão de 10 centímetros que tinham feito. Assim, demoraram quatro horas a extrair poucas moedas de cada vez, muitas delas parcialmente corroídas ou já meio dissolvidas.

Muitos tailandeses acreditam que atirar moedas às tartarugas traz longevidade e foi isso mesmo que fizeram ao longo de vários anos no lago onde vivia a tartaruga "Banco", na cidade de Sri Racha (Leste da Tailândia).

Uma tartaruga marinha verde - uma espécie em risco de extinção - tem uma esperança média de vida de 80 anos, disse Roongroje Thanawongnuwech, reitor da Faculdade de Veterinária da Universidade de Chulalongkorn.

O caso desta tartaruga - encontrada já em más condições pela Marinha tailandesa - foi tornado público no mês passado, tendo sido recolhidos quase 15 mil baht (428 dólares) em donativos para pagar a cirurgia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.