Moradores de Arroios e Penha de França pedem jardim em vez de estacionamento

O movimento cívico Pelo Jardim do Caracol da Penha diz que aquele é o único espaço não urbanizado e como tal pode responder à carência de espaços verdes por parte da população

Moradores das freguesias de Arroios e Penha de França, em Lisboa, solicitaram hoje a requalificação de um terreno com 8.000 metros quadrados, pertencente à Câmara Municipal, para ali criar um jardim em vez do previsto parque de estacionamento.

Em comunicado, o movimento cívico Pelo Jardim do Caracol da Penha (nome sugerido para denominar o espaço verde) sustenta que "Arroios e Penha de França, com cerca de 60.000 habitantes, estão entre as cinco freguesias de Lisboa com menos espaços verdes".

"Este terreno, pertencente à Câmara Municipal, é o último lugar não urbanizado desta zona da cidade, constituindo assim a última oportunidade de responder à forte carência de espaços verdes identificada pela população", frisa.

Porém, a alternativa proposta pela autarquia para o espaço é a "construção de um parque de estacionamento à superfície com 86 lugares", gerido pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), adiantam os residentes, considerando que tal infraestrutura "vem dar uma resposta muito limitada à carência de estacionamento e impede de forma irreversível a criação de um jardim".

Por isso, o grupo de cidadãos entrega, na terça-feira, uma petição na Assembleia Municipal de Lisboa com 2.500 assinaturas, visando sensibilizar a Câmara.

"Num momento em que autarquia aposta na criação de espaço público, em que se destaca o programa 'Uma Praça em cada Bairro', e de jardins, como a Ribeira das Naus ou a Cerca da Graça, não se entende que nesta zona da cidade se continue a dar primazia aos carros", sublinha o grupo.

Paralelamente, o movimento cívico submeteu uma candidatura com este projeto ao Orçamento Participativo de Lisboa, que será colocada a votação em outubro, adianta a nota de imprensa.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.