Moradores de Arroios e Penha de França pedem jardim em vez de estacionamento

O movimento cívico Pelo Jardim do Caracol da Penha diz que aquele é o único espaço não urbanizado e como tal pode responder à carência de espaços verdes por parte da população

Moradores das freguesias de Arroios e Penha de França, em Lisboa, solicitaram hoje a requalificação de um terreno com 8.000 metros quadrados, pertencente à Câmara Municipal, para ali criar um jardim em vez do previsto parque de estacionamento.

Em comunicado, o movimento cívico Pelo Jardim do Caracol da Penha (nome sugerido para denominar o espaço verde) sustenta que "Arroios e Penha de França, com cerca de 60.000 habitantes, estão entre as cinco freguesias de Lisboa com menos espaços verdes".

"Este terreno, pertencente à Câmara Municipal, é o último lugar não urbanizado desta zona da cidade, constituindo assim a última oportunidade de responder à forte carência de espaços verdes identificada pela população", frisa.

Porém, a alternativa proposta pela autarquia para o espaço é a "construção de um parque de estacionamento à superfície com 86 lugares", gerido pela Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), adiantam os residentes, considerando que tal infraestrutura "vem dar uma resposta muito limitada à carência de estacionamento e impede de forma irreversível a criação de um jardim".

Por isso, o grupo de cidadãos entrega, na terça-feira, uma petição na Assembleia Municipal de Lisboa com 2.500 assinaturas, visando sensibilizar a Câmara.

"Num momento em que autarquia aposta na criação de espaço público, em que se destaca o programa 'Uma Praça em cada Bairro', e de jardins, como a Ribeira das Naus ou a Cerca da Graça, não se entende que nesta zona da cidade se continue a dar primazia aos carros", sublinha o grupo.

Paralelamente, o movimento cívico submeteu uma candidatura com este projeto ao Orçamento Participativo de Lisboa, que será colocada a votação em outubro, adianta a nota de imprensa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...