Modelo do anúncio polémico da Dove não achou a publicidade racista

A modelo nigeriana afirma que a campanha foi tirada do contexto

A modelo negra que participou no anúncio da Dove acusado de racismo defendeu a marca e afirmou que a intenção seria celebrar a diversidade étnica e nunca desprezar as mulheres negras.

Lola Ogunyemi encontrou-se no meio de uma polémica nas redes sociais devido ao anúncio a um gel de banho da marca de produtos de beleza. O vídeo de 3 segundos publicado na página de Facebook da Dove mostrava inicialmente uma mulher negra a tirar a t-shirt para revelar uma mulher branca que volta a despir a parte de cima e aparece uma asiática.

Nas redes sociais Facebook e Twitter muitas pessoas consideraram que as imagens significavam que os brancos eram mais limpos e bonitos que os negros acusando a marca de racismo e de falta de sensibilidade.

"Eu não sinto que foi racista", disse a modelo Lola Ogunyemi numa entrevista à BBC, onde revelou que estava muito contente por ser "a cara negra da campanha" e por ter a oportunidade de "representar as irmãs de pele escura numa marca de beleza global".

O anúncio tinha uma versão de 30 segundos para a televisão que continha outras imagens e ainda um slogan que tornava a intenção da campanha mais clara, ou seja, dizer que todas as mulheres merecem produtos de qualidade, explicou a modelo nigeriana.

"A publicidade nas redes sociais não é uma justa representação do todo", acrescentou.

Lola Ogunyemi disse à BBC que a Dove devia ter percebido o risco da sequência de imagens ser mal interpretada, dado que a marca já teve problemas semelhantes no passado e que "deveriam ter equipas fortes para apontar esse tipo de erros antes de ir para o ar".

A Dove pediu desculpa através do Twitter por qualquer ofensa ou insulto que possa ter causado.

Em 2011 a marca também foi acusada de racismo por um anúncio que mostrava três mulheres lado a lado, em que a primeira tinha a pele mais escura e estava à frente da imagem do antes de usar o produto e a última mulher com a pele mais clara e estava na frente do depois.

O rótulo de um gel de banho que dizia que era para "pele normal a escura", também gerou polémica em 2015.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.