Modelo 3D de um clítoris vai ajudar a educação sexual de alunos franceses

Investigadora desenvolveu um modelo em 3D inovador para que os alunos possam conhecer melhor o órgão sexual feminino

As aulas de educação sexual em França vão a partir deste mês passar a contar com um novo instrumento: um modelo em 3D de um clítoris.

Odile Fillod, uma investigadora em sociologia da ciência, desenvolveu um modelo tridimensional deste órgão sexual feminino com a forma e tamanho o mais realista possível para que os alunos possam conhecê-lo "ao vivo".

Fillod acredita que muitas pessoas não sabem como funciona o clítoris e acredita que desta forma será possível dar formação de uma forma mais eficaz.

Afinal, um pénis e um clítoris são órgãos muito semelhantes. Aliás, os fetos têm os mesmos órgãos genitais até às 12 semanas de gestação, altura em que estes se começam a formar definitivamente.

A investigadora afirma que principalmente as raparigas devem estar familiarizadas com o clítoris, uma vez que este órgão tem um papel fundamental no desejo no prazer sexual, ajudando as mulheres a atingirem o orgasmo durante uma relação sexual, quando estimulado.

O clitóris continua a crescer ao longo da vida de uma mulher, podendo tornar-se 2,5 vezes maior durante o período fértil da mulher, avança Fillod.

A ficha disponibilizada pelos responsáveis do projeto explica como foi feita a impressão em 3D de um clitóris. Depois de ser construída por computador, a impressão do órgão foi realizada numa impressora 3D utilizando um ácido poliático, uma substância biodegradável que faz com que depois da impressão o modelo se parece com um plástico rígido.

Depois de arrefecer, o modelo é separado da sua base descartável e está pronto a ser pintado. Finalmente, é revestido com um verniz transparente de cola.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.