Ministro diz que universidades podem contratar cerca de 500 pessoas

Manuel Heitor tenciona flexibilizar o emprego científico logo que o orçamento seja definitivamente aprovado

As universidades podem contratar 500 pessoas para os quadros, no âmbito das novas regras definidas no Orçamento do Estado para 2016, revelou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Em entrevista hoje publicada pelo jornal Público, o ministro afirma que a lei do Orçamento do Estado reforça a autonomia das instituições de ensino superior e defende que esta é "a única forma de facilitar o emprego científico e o rejuvenescimento dos quadros" de docentes e investigadores.

Em questão está a norma que permite às instituições fazer contratações até ao limite máximo do valor mais alto gasto com pessoal num dos últimos três anos.

Nos últimos quatro anos, segundo o ministro, cerca de 1.100 docentes abandonaram o ensino superior.

"Devíamos estar hoje a pensar em duplicar esses números durante a legislatura, ou seja, em introduzir pelo menos mais 2.000 investigadores e docentes no sistema de ciência e ensino superior", declarou o governante, assumindo a ambição de ver os orçamentos reforçados em "pelo menos 200 milhões de euros, no prazo da legislatura".

Manuel Heitor assinala na entrevista que nas universidades portuguesas só 70 por cento do corpo docente tem doutoramento, quando "um sistema normal tem 100%". Nos politécnicos, a percentagem é de 30%.

O ministro tenciona também flexibilizar o emprego científico assim que o orçamento for definitivamente aprovado, promovendo contratos intermédios com vários escalões: "O investigador FCT vai evoluir para contratos mais flexíveis, deve haver vários tipos de contratos".

Manuel Heitor adiantou que serão retomados projetos de ensino experimental das ciências nas escolas, sem dotação há quatro anos.

"Desta vez, há uma linha de um milhão de euros para o ensino experimental das ciências, com os novos programas Integra Ciência e Mais Ciência, em articulação com a agência Ciência Viva", explicou.

O titular da Ciência indicou igualmente que o seu ministério participará, juntamente com o Ministério da Defesa, no projeto "Space Surveillance and Tracking", um programa europeu para detetar lixo espacial, que está prestes a iniciar-se.

"Penso que a área do espaço é particularmente interessante para Portugal, porque as ciências do espaço evoluíram muito. Há 15 anos, lançar um satélite custava cerca de cinco milhões de euros, hoje custa 300 mil euros", disse.

Manuel Heitor adiantou que está "a abrir o diálogo com os Estados Unidos no sentido de reforçar as atividades de investigação e desenvolvimento tecnológico combinado com o envolvimento empresarial na área do espaço.

Para o ministro, é preciso reforçar o posicionamento estratégico dos Açores na observação atlântica, em cooperação internacional.

Questionado sobre o interlocutor nos EUA, afirmou estar em contacto com várias universidades e o governo norte-americano: "Estamos a abrir a possibilidade de vir a negociar um programa de cooperação apenas para uso de ciências e tecnologias do espaço para observação atlântica".

Sobre o processo de avaliação aos centros de investigação feita pelo anterior governo, o novo ministro disse que homologou na semana passada o resultado de 73 reclamações que tinham sido feitas à Fundação para Ciência e Tecnologia (FCT) e que foram analisadas por um painel internacional, definido em colaboração com o Conselho de Reitores: "Há 28 reclamações que tiveram provimento (a decisão foi modificada)".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.