Ministério Público já pediu ampliação da extradição de Vale e Azevedo

Vale e Azevedo saiu na terça-feira em liberdade condicional, mas o ex-dirigente do Benfica tem ainda pendente uma condenação de dez anos

O Ministério Público já pediu a ampliação da extradição de Vale e Azevedo relativa à condenação de 10 anos, em 2013, por crimes relacionados com transferências de futebolistas, disse hoje à Lusa fonte da Procuradoria-Geral da República (PGR).

"O Ministério Público promoveu, logo que teve conhecimento do trânsito em julgado, a emissão de Mandado de Detenção Europeu, com pedido de ampliação da extradição relativamente à condenação" de 10 anos de prisão por crimes relacionados transferências de futebolistas, respondeu à agência Lusa a PGR, acrescentando que o juiz titular do processo já deferiu o pedido.

A condenação de 10 anos foi aplicada a Vale e Azevedo em 2013 por crimes nas transferências dos futebolistas ingleses Scott Minto e Gary Charles, do marroquino Tahar e do brasileiro Amaral.

Vale e Azevedo saiu na terça-feira em liberdade condicional, após cumprir cinco sextos da pena de prisão de 11 anos e meio a que tinha sido condenado (em cúmulo jurídico) no âmbito dos processos Ovchinnikov/Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes de burla e apropriação indevida de dinheiro, entre outros ilícitos económicos e financeiros.

Apesar desta pena cumprida, o ex-dirigente do Benfica tem ainda pendente uma condenação de dez anos já transitada em julgado e cujo cúmulo jurídico ainda não foi feito.

Questionada sobre esta questão, a advogada de Vale e Azevedo, Luísa Cruz, disse que face às informações que lhe foram transmitidas de Inglaterra, "muito possivelmente, ao chegar o pedido de ampliação [da extradição] poderá nem sequer ser aceite, porque já há uma prévia apreciação deste processo".

O antigo dirigente desportivo, que estava acusado de se ter apropriado de quatro milhões de euros do clube encarnado, foi condenado por peculato, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento.

A advogada salientou que ainda será preciso fazer um cúmulo jurídico com a condenação de dez anos, de que vai "resultar uma pena única", onde serão descontados os anos já cumpridos, com a possibilidade de lhe ser concedida de novo a liberdade condicional.

Luísa Cruz defendeu que a maioria dos processos, nomeadamente os relacionados com o Benfica, deviam ter sido julgados ao mesmo tempo, uma vez que "têm por base a mesma fundamentação, a mesma investigação, com pequenas nuances", permitindo determinar uma pena única.

"Juridicamente, ele está sob a alçada das autoridades inglesas e só com autorização das autoridades inglesas é que poderá ser feito qualquer julgamento ou ser aplicada qualquer medida de coação que implique uma nova detenção", afirmou na altura a advogada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.