Ministério Público acusa homem de tentar matar utente do Metro do Porto

Segundo a Procuradoria, o suspeito, insatisfeito por a vitima lhe ter dito que não devia estar a fumar no metro, sacou da pistola e disparou

O Ministério Público (MP) acusou um homem de ter tentado matar a tiro um utente do Metro do Porto, após uma discussão em agosto deste ano, adiantou a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Os factos aconteceram a 23 de agosto, pelas 00:30, numa composição do Metro do Porto durante o percurso Senhora da Hora/Senhor de Matosinhos, na estação Vasco da Gama, referiu a PGD.

Segundo a Procuradoria, o suspeito ia a fumar no interior da carruagem e a vítima abordou-o para não o fazer. Insatisfeito pelo reparo, sacou de uma pistola de calibre 6.35 e efetuou dois disparos na direção do utente.

"Um [foi feito] ainda no interior da carruagem, que a atingiu nas costas quando procurava fugir, e outro já do exterior da composição, que perfurou o vidro da carruagem, mas não atingiu a vítima", refere a acusação, citada na nota da PGD do Porto.

O suspeito, em prisão preventiva (medida de coação mais gravosa), está acusado pelos crimes de homicídio qualificado na forma tentada e detenção de arma proibida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.