Ministério Público acusa homem de tentar matar utente do Metro do Porto

Segundo a Procuradoria, o suspeito, insatisfeito por a vitima lhe ter dito que não devia estar a fumar no metro, sacou da pistola e disparou

O Ministério Público (MP) acusou um homem de ter tentado matar a tiro um utente do Metro do Porto, após uma discussão em agosto deste ano, adiantou a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Os factos aconteceram a 23 de agosto, pelas 00:30, numa composição do Metro do Porto durante o percurso Senhora da Hora/Senhor de Matosinhos, na estação Vasco da Gama, referiu a PGD.

Segundo a Procuradoria, o suspeito ia a fumar no interior da carruagem e a vítima abordou-o para não o fazer. Insatisfeito pelo reparo, sacou de uma pistola de calibre 6.35 e efetuou dois disparos na direção do utente.

"Um [foi feito] ainda no interior da carruagem, que a atingiu nas costas quando procurava fugir, e outro já do exterior da composição, que perfurou o vidro da carruagem, mas não atingiu a vítima", refere a acusação, citada na nota da PGD do Porto.

O suspeito, em prisão preventiva (medida de coação mais gravosa), está acusado pelos crimes de homicídio qualificado na forma tentada e detenção de arma proibida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...