Milhões de gravidezes indesejadas por falta de acesso a contraceção

Milhões de gravidezes não planeadas em países em desenvolvimento, incluindo a maioria dos países lusófonos, podiam ser evitadas com maior acesso a métodos contracetivos modernos, conclui um estudo publicado hoje.

O estudo "Adding It Up: Investing in Contraception and Maternal and Newborn Health, 2017" calcula que 214 milhões de mulheres em países em desenvolvimento querem evitar a gravidez mas, por vários motivos, não usam métodos modernos de contraceção.

Produzido pelo Instituto Guttmacher, o estudo mostra que os serviços de contraceção e os serviços de saúde materna e neonatal nos países em desenvolvimento, que incluem Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste, ficam aquém das necessidades.

Das 89 milhões de gravidezes indesejadas, 66 milhões resultam da falta de acesso a contraceção e quase nove milhões do uso de métodos tradicionais, com maior incidência em África e nos países de menores rendimentos.

Outras consequências são 30 milhões de nascimentos não planeados e 48 milhões de abortos induzidos.

O estudo admite que tem sido registado progresso, ainda que lento: o número de mulheres com acesso a formas mais eficazes de controlo da natalidade aumentou de 510 milhões em 2003 para 671 milhões em 2017.

Mas, comparando os mesmos dois anos, o número de mulheres sem este tipo de recursos continuou a aumentar, de 210 milhões em 2003 para 214 milhões em 2017.

"Investir tanto em cuidados contracetivos como cuidados essenciais para os cuidados maternos e recém-nascidos tem o maior impacto na prevenção de mortes desnecessárias", afirmou Jacqueline Darroch, autor principal do estudo.

O Instituto Guttmacher estima que cada dólar norte-americano (0,88 euros) investido em métodos contracetivos permite poupar 2,3 (2 euros) dólares em cuidados de saúde às mulheres grávidas e recém-nascidos.

Mas, gastar 8,4 dólares (7,39 euros) por ano por pessoa em meios de planeamento familiar e cuidados de saúde básicos a mulheres grávidas e recém-nascidos, pode evitar a morte de 2,2 milhões de bebés e de 224 mil mães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.