Microsoft vai dar os direitos europeus de privacidade aos utilizadores de todo o mundo

Novas regras implicam poder bloquear utilização de dados para publicidade. Maioria das tecnológicas limitam a possibilidade à UE

A Microsoft informou esta segunda-feira que vai dar aos seus utilizadores a nível mundial os mesmos direitos à privacidade atribuídos aos europeus sob a nova regulação.

Isto significa que os utilizadores, independentemente do sítio onde vivam, podem ser capazes de ver o que a Microsoft colige sobre eles e corrigir ou apagar essa informação, se necessário.

Os utilizadores também poderão objetar ao uso da informação recolhida sobre eles para atividades de publicidade e outras.

Algumas empresas estão a limitar estas possibilidades apenas à União Europeia, onde as novas regras entram em vigor na sexta-feira.

A Facebook, por exemplo, já disse que oferece o mesmo padrão à escala mundial, mas não prometeu direitos similares aos europeus a essa escala.

A Microsoft explicitou a sua promessa hoje, em mensagem colocada no seu blogue.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.