Metros são aposta e Linha de Cascais espera financiamento

Investimento nos comboios será para 2017, principalmente na tentativa de aumentar exportações a partir dos portos

Melhorar a oferta de transportes públicos, nomeadamente as redes de metro de Lisboa e Porto, é uma das apostas do Governo para o próximo ano. Um investimento que é, também, uma forma de tentar diminuir a utilização do carro particular não só nas deslocações para as principais cidade do País como dentro das mesmas.

Além dos financiamentos que estão previstos para a rede ferroviária (2,7 mil milhões de euros), o Governo, por intermédio do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, já assumiu que vão ser disponibilizados 22 milhões para obras no metro de Lisboa - inclui trabalhos nas estações do Areeiro. No Porto, será construída uma estação em Modivas. Durante o próximo ano devem ser, igualmente, iniciados os concursos para a expansão das linhas de metro que servem as duas cidades.

Cascais espera de financiamento

Uma ligação ferroviária que não tem o futuro definido é a de Cascais. O presidente da autarquia, Carlos Carreiras, tem reivindicado a sua remodelação justificando essa pretensão com a perda de utentes - em 1995 tinha 45 milhões de passageiros e em 2014 ficou-se pelos 23,8, segundo o dirigente já disse - e a má qualidade do serviço, que também tem vindo a merecer muitas críticas por parte de quem utiliza os comboios que ligam o Cais do Sodré a Cascais.

Aliás, a questão sobre o que o Governo pensa fazer com esta linha suburbana motivou na semana passada uma forte reação do autarca a declarações do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, que alertou para a complexidade do problema e a necessidade de se efetuar avultados investimentos na linha. Em declarações ao jornal Público frisou que as verbas necessárias poderiam atingir os 500 milhões de euros.

Ao DN, o ministro lembrou que "a Linha de Cascais integra o Plano Ferrovia 2020 e é, portanto, umas das prioridades do Governo". Mas acrescentou o panorama difícil para a linha e a falta de solução: "Trata-se de uma Linha a necessitar de uma intervenção integral (infraestrutura e material circulante), à qual corresponde um investimento pesado. Apesar de a sua modernização constar de vários planos, nomeadamente o Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas (PETI) do governo anterior, nunca foi feito qualquer planeamento de intervenção que contemplasse a componente de financiamento. É nisso que estamos atualmente a trabalhar, ou seja, na elaboração de projetos de intervenção e correspondente financiamento".

Tese que o presidente da autarquia tem contestado pois já garantiu que o governo anterior (PSD e CDS-PP) tinha um plano de intervenção na linha no valor de 259 milhões de euros.

À parte esta questão a aposta do Governo para o próximo ano é a renovação das linhas ferroviárias que servem os portos - Sines, Setúbal, Aveiro e Leixões - de forma a, segundo o executivo, potenciar as exportações. Ao DN, o ministro adiantou que o Plano Ferrovia 2020 prevê a "intervenção em cerca de 1200 quilómetros de via, estando previsto um investimento que pode chegar aos 2,7 mil milhões de euros, com 62% desta verba (1,6 mil milhões) a ter origem em fundos europeus".

Financiamento que será direcionado para obras que garantam a "fluidez e rapidez do tráfego ferroviário. Haverá alguma construção de linhas novas, mas principalmente vamos investir na requalificação e modernização, seja, por exemplo, na eletrificação, na sinalização eletrónica ou em trabalhos na via que permitam a utilização de comboios de maior dimensão, o que tornará o transporte de mercadorias muito mais competitivo". É neste ponto que encaixa a aposta nas exportações. "Apenas a título de exemplo, o Corredor Sul permitirá aumentar a capacidade diária de saída do porto e da zona logística de Sines [reforçando a ligação a Espanha] dos atuais 36 comboios de 400 metros para 51 de 750 metros, o que corresponde a um acréscimo de capacidade de duas vezes e meia a atual", adiantou o ministério ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.