Metro sem capacidade de resposta ao aumento de pedidos de passe

Milhares de estudantes renovam, nesta altura, o cartão Lisboa Viva. Filas multiplicam-se e tempos de espera também

Estação de metro do Campo Grande, a meio da tarde de quinta-feira da segunda semana de setembro. Fábio Marques está há três horas na fila para tirar o cartão Lisboa Viva (que permite carregar o passe mensal). É estudante, vai recomeçar as aulas e ia tirar o título em versão urgente - o que significa que é feito e entregue em 24 horas. Mudou os planos entretanto: o Metropolitano só aceita cem pedidos de manhã e outros tantos à tarde e o número há muito que já foi atingido. Vai optar pelo pedido normal, que demora dez dias úteis. Até lá andará com bilhete.

Fábio está mais ou menos a meio de uma extensa fila de utentes do metropolitano que esperam pelo atendimento. Ainda tem cerca de duas dezenas de pessoas à frente, e bastante mais, largas dezenas, esperam atrás. Esperam e desesperam. A tal ponto que, quando uma funcionária do metro se dirige à fila e anuncia que de um certo ponto para trás já ninguém será atendido as vozes levantam-se e os ânimos exaltam-se. E só se acalmam quando se conclui que afinal não é bem assim. Na fila ficam os que foram numerados até 100, mas ainda não conseguiram entregar os papéis, os que estão à espera só para levantar o passe (a fila é a mesma para toda a gente) e aqueles que desistiram de pedir a versão urgente do cartão Lisboa Viva, optando pela normal.

Todos os anos a situação se repete, como admitiu ao DN um funcionário do metropolitano. Nas semanas que antecedem o início do ano escolar milhares de pessoas dirigem-se ao metro para renovar os passes, esgotando a capacidade de resposta da empresa. "Não temos pessoas que cheguem para o trabalho normal quanto mais para o extraordinário", refere o mesmo funcionário. Ao número anormal de pedidos junta-se ainda outro fator que faz demorar o atendimento: os estudantes beneficiam dos passes 4_18 e SUB 23, mas têm de entregar documentação adicional para ter acesso aos descontos associados a estes títulos.

No Campo Grande, como no Marquês de Pombal, outro dos pontos da rede onde se pode pedir o passe, há dois guichets para atendimento, mas só um está em funcionamento. Ao lado, um cartaz deixa o aviso: "Para poder garantir a entrega dos cartões Lisboa Viva urgentes no prazo previsto, a emissão diária encontra-se limitada. Quando o valor máximo diário for atingido não poderão ser aceites mais pedidos". Os funcionários vão alertando quem chega de que já não é possível tirar o passe.

Madrugar à segunda tentativa

O Lisboa Viva é um cartão eletrónico carregável, personalizado, para utilizadores frequentes dos transportes públicos. Pode ser carregado com títulos de vários operadores ou até com títulos de estacionamento. Na rede do metropolitano o cartão é emitido nas estações do Marquês e Campo Grande, o que totaliza um máximo de 400 emissões de cartões por dia.

Joana Rodrigues e Maria Palma são duas estudantes de Coimbra recém-chegadas a Lisboa para estudar na Faculdade de Belas Artes. Ontem tomaram o lugar na fila, no Marquês de Pombal, mas rapidamente desistiram face ao aviso de que já estava esgotado o número de passes urgentes. O regresso fica marcado para hoje "lá para as seis da manhã", para garantir que ficam na primeira centena de utentes. Já estão a fazer contas à vida: "Em três dias em Lisboa já comprámos três passes diários, já lá vão 18 euros". Glória e Beatriz Roberto, mãe e filha, também vinham pedir a emissão do passe. "Viemos fazer a inscrição na Faculdade e só nos despachámos agora. Disseram-nos que há às oito da manhã já não havia", conta a mãe, acrescentando que vão regressar ao Algarve e que a incumbência ficará para a filha, quando regressar a Lisboa para iniciar as aulas. No Campo Grande, um pai, Jorge Lopes, classifica a situação como "surreal": "Na era da informatização não faz sentido".

O DN questionou o Metropolitano sobre qual o volume de aumento no pedido de passes, nesta altura do ano, e se a empresa toma medidas de reforço do atendimento, dado que a situação se repete anualmente, mas não obteve resposta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)