Metro do Porto reforça operação "ao máximo" para a Red Bull

A Metro do Porto anunciou hoje o reforço da operação para responder à procura esperada para o Red Bull sobre o Douro, no sábado e no domingo, com "a circulação de veículos duplos em todas as linhas".

"A rede do metro reforça a oferta ao máximo para responder à procura dos espetadores que vão assistir à prova nas margens do Douro, no Porto e em Vila Nova de Gaia, estimada em um milhão de pessoas, afirma a empresa.

Além da circulação de veículos duplos em todas as linhas da rede, a Metro do Porto prevê uma maior frequência de passagens, entre as 15:00 e as 20:00, na Linha Amarela (D), com um tempo médio de espera de seis minutos.

No tronco comum às linhas Azul (A), Vermelha (B), Verde (C), Violeta (B) e Laranja (F) "são acrescentadas três passagens/hora em complemento Às circulações previstas para o troço Senhora da Hora/Estádio do Dragão".

No total, a Metro do Porto terá 86 composições (das 102 que compõem a sua frota), "preparadas e disponíveis para garantir mobilidade total".

A realização de mais uma etapa desta competição de aviões de acrobacia no Porto, que terão de cumprir um percurso entre obstáculos instalados no rio entre as pontes Luiz I e Arrábida, obriga a cortes de trânsito em inúmeras vias das duas cidades vizinhas, designadamente nas suas zonas ribeirinhas.

As autoridades envolvidas neste evento têm vindo a apelar ao uso de transportes públicos para aceder aos locais de onde se poderá ver o evento, que começa na sexta-feira, com treinos livres, e decorre até domingo.

"Devido ao aumento significativo de clientes nos dois dias de prova, é recomendável a aquisição ou carregamento antecipados de títulos de viagem Andante", conclui a Metro do Porto.

Também a CP vai disponibilizar meio milhão de lugares nos comboios urbanos do Porto no sábado e no domingo, durante o Red Bull Air Race, triplicando a oferta habitual em fins de semana.

A organização do evento sugere como "melhores locais para assistir ao evento" junto ao rio Douro, nas margens do Porto e de Gaia, jardins do Palácio de Cristal, miradouro da Vitória, zona da Sé, passeio das Virtudes, miradouro da Batalha, Arrábida Shopping, miradouro da Serra do Pilar e miradouro do jardim do Morro.

É ainda recomendado "ir cedo para a área que escolheu para assistir à competição".

Os cortes de trânsito em dezenas de artérias do Porto e de Gaia são impostos a partir de sexta-feira e até domingo, entre as 08:00 e as 20:00.

A Polícia Municipal do Porto disponibiliza o número de telemóvel 932225198 para prestar esclarecimentos sobre todos os condicionamentos e cortes de trânsito em vigor durante o evento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.